terça-feira, 21 de julho de 2009

Acorda Ramón!


Há muitos anos não víamos em nossa lateral esquerda algo mais produtivo que um cone de trânsito. Milhares de jogadores foram testados ao longo desses tenebrosos anos e nenhum conseguiu se firmar na posição. Mas em 2009, justo no ano da disputa da Série B, chegou ao Vasco Ramón, um lateral de nível de série A, o primeiro desse nível em anos. De relegado no Internacional, o lateral virou destaque no Vasco, sendo eleito destaque do campeonato Carioca, e virando xodó da torcida. O seu estilo de jogar é cativante para qualquer torcida: Joga firme, marca forte, vai pra cima, corta bola e bate no peito. Contagia pela vontade.

De uns tempos pra cá, transformou-se, ao meu ver pelo menos, em apenas um jogador esforçado. A vontade contagiante continua lá, intacta, mas a efetividade caiu drasticamente. Por isso mesmo, que sábado, contra o Bahia, Ramón será opção no banco de reservas. A primeira vista já nos vem a cabeça a indagação: “Mas peraí, o Dorival ta maluco?” Indagação que procede, quando na seqüência vem a notícia que em seu lugar entrará Ernane. O Ernane não é, e não será o titular do Vasco, esse continuará sendo o camisa 33. A barracão de Ramón é uma espécie de “Acorda moleque, precisamos de você batendo aquela bola do carioca”. Isso ficou claro nas declarações de Dorival, que quer ver os titulares sendo pressionados. Ele quer um grupo inteiro motivado. Ele esta é muito certo!

2 comentários:

  1. Mesmo Ramon jogando mau é melhor que os trocentos laterais dos últimos 6 anos, com esse gelo do Dorival, ficando no banco contra o Bahia, com certeza ele acordará, e voltará a render o bom futebol que o credenciou a melhor jogador de sua posição no Campeonato Carioca.
    Abraço
    Jeferson

    ResponderExcluir
  2. Caraca brother, falo e disse tudo no comentário que fez no Blog do Carlos Junior, sobre o Post dos indgnados com o Dorival por barrar o Ramon. Parabéns pelas sábias palavras.

    ResponderExcluir

Sinta-se a vontade para expressar sua opinião sendo Vascaíno ou não.

Saudações Cruzmaltinas