quinta-feira, 2 de julho de 2009

Desilusão...


Estou desiludido com o time do Vasco. Ando temeroso quanto à possibilidade de permanecermos mais um ano na segunda divisão. Seria definitivamente o inferno! Uma vergonha que não sei se seria capaz de carregar. Que ânimo teria eu para sentar numa mesa de bar com meus amigos, e ter que permanecer calado quando tocarem no assunto “Futebol”? Aliás, cada vez que discuto sobre futebol, percebo que meus argumentos ficam cada dia mais obsoletos. Todas as glórias e conquistas do Vasco não valem mais um tostão nas discussões de bar.

As boas campanhas no Carioca e na Copa do Brasil talvez tenham sido as coisas mais prejudiciais ao Vasco nesse ano. Nos passou a sensação de que tínhamos um time 100% confiável para a disputa da segunda divisão. Pelo menos eu fiquei com essa sensação. Se não tínhamos um time vistoso, pelo menos tínhamos um time empenhado ao extremo, um time pelo qual tínhamos o prazer de desembolsar 30 Reais para ver lutar por todas as bolas, para ver os jogadores batendo no peito como nós lá da arquibancada fazemos. Infelizmente o time não esta mais com esse espírito, essencial para sobrepujar a nítida limitação que apresentava. Some-se a perda do “tesão” de jogar, o fato de alguns jogadores de fundamental importância no começo do ano atravessarem fase técnica tenebrosa. Paulo Sérgio nunca foi lá muito técnico, mas seus cruzamentos eram sempre uma jogada forte do Vasco. Hoje, o lateral não consegue ser efetivo nos cruzamentos e de lambuja anda levando baile atrás de baile dos laterais esquerdos que enfrenta. Preocupa-me mais o Nilton. Onde terá se escondido o futebol de "Mestre" Nilton? Do Paulo Sérgio não se espera muita coisa, mas do Nilton, eu, pelo menos, espero muito. Nilton era sempre, ou quase sempre, o melhor jogador do Vasco na maioria das partidas. Desarmava e armava com a mesma eficácia, era tido por mim e por muitos como o porto seguro da equipe, uma espécie de “ Tá com Nilton tá em casa”. Ultimamente não vem rendendo nada, errando passes bobos, e parece acomodado dentro de campo. Nada que um tempo no banco de reservas não possa resolver. Tendo em vista a provável e trágica saída de Carlos Alberto, é urgente que o Nilton se recupere, assim como é urgente que o Jéferson ressuscite.

Ao que tudo indica, será esse time que terá que nos levar para a primeira divisão. Não se iludam com grandes contratações, não virá nenhum salvador da pátria para o Vasco, o máximo que pode acontecer é uma contratação/aposta dar certo, como eu espero que seja o caso de Robinho. O time do Vasco é comum e parece ter se esquecido disso. Time comum sobe, mas sobe sofrendo.


Se não recuperarmos o espírito de luta e o tesão de jogar, eu não sei não hein...

5 comentários:

  1. outro empate cara! que isso...

    ResponderExcluir
  2. E ai,
    calma, fiquei assim em 2006 quando o Galo disputou a série B, o time não tava bem e estava na 14ª colocação, mas com a chegada de um novo técnico, Levi Culpi, o time reagiu e acabou sendo campeão. O Vasco é melhor que muito time na série B, precisa é de acordar, talvez mudar o ténico ajude, apesar de não ter nenhum que preste. Outra solução seria mudar o esquema tático...
    Abraço

    ResponderExcluir
  3. É meu amigo..

    Chega de 0x0, 1x1 hein..? POORRRA! EMPATE NÃO GARANTE NADA! EMPATE É RESULTADO PRA TIME QUE NÃO CONSEGUE GANHAR PORRA! Que pra não zerar na rodada arruma um empatezin!

    Vamo Dorival! Vamo Vascããão!

    ResponderExcluir
  4. O time desde o início tinha deficiências nítidas, como por exemplo no ataque. Só que a bola entrava e tudo estava bem. Crescemos na defesa, mas caímos consideravelmente na produção ofensiva. Esse time não é brilhante, mas é suficiente para vencer a Série B.
    Porém, uma vitória se faz necessária logo para que a confiança retorne e as jogadas voltem a dar certo.

    Sds!

    ResponderExcluir
  5. Tá difícil Xará. Perdi até o ânimo de escrever. Não escrevia há mais de uma semana. A reação tem que começar ontem...

    ResponderExcluir

Sinta-se a vontade para expressar sua opinião sendo Vascaíno ou não.

Saudações Cruzmaltinas