quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Incoerentes por excelência, somos torcedores!


Vasco e ABC travaram um jogo repleto de alternativas. Diria eu até que com alternativas demais pro meu gosto. Diferente dos últimos jogos, modorrentos, este esteve em um nível bem acima. Se não foi um primor de técnica, ao menos não deu sono. Muito pelo contrário. Inicialmente supus que a partida seria fácil, quando Fernando fez gol logo no começo. Na comemoração, o zagueiro deu aula de companheirismo e correu até o banco para abraçar o Vilson, ex dono da posição. O que se desenhava como fácil, logo logo complicou, quando Amaral fez pênalti em Júlio César e o ABC chegou ao empate. O Vasco novamente pulou na frente do placar, em pênalti cobrado por Carlos Alberto. E assim terminava o bom primeiro tempo no Frasqueirão.

Regressava do Banheiro ainda, e ao olhar para a televisão, o espanto. Não foram necessários nem 20 segundos na etapa derradeira para o ABC empatar a partida e colocar uma pulga atrás de nossas orelhas. E com um agravante: A saída de bola foi nossa. Conseguimos a proeza de sair com a bola, perdê-la em menos de 15 segundos e ainda por cima levar o gol. Mas a estrela do criticado Fumagali brilhou. Valendo-se de seu principal atributo (talvez único), ele cobrou com categoria a falta e deu números finais a partida. Que ainda teve alguns lances de emoção. Diria eu até que emoção demais pro meu gosto. O ABC se lançou ao jogo em busca do empate e por duas vezes esteve próximo. Em um dos lances, apenas Deus sabe como a bola não entrou, e no outro, se não foi Deus que salvou, foi seu intermediário Fernando Prass, sempre providente.

A vitória nos deixa matematicamente muito próximos do acesso, e a promessa é de um Maracanã cheio e em festa no sábado ante ao Bahia. A consumação numérica do nosso acesso para alguns vai gerar alívio e para outros felicidade . Em mim, as duas coisas. Relendo meus artigos, pude observar certas nuances de pensamentos e sentimentos durante esse ano, o que no meu humilde modo de pensar traduz o que foi o Vascaíno esse ano. Longe de mim querer ser o representante dessa nação, mas todo aquele que se mete a escrever sobre futebol, ciência inexata por excelência, acaba ficando sujeito a algumas incoerências.

Releiam seus colunistas prediletos. Todos em algum momento exaltaram Dorival Júnior como um grande achado da diretoria. Eu continuo com essa opinião, e vejo Dorival como um alquimista, que conseguiu com poucos ingredientes, alguns de qualidade duvidosa(senão muitos), Inventar, é exatamente essa a palavra, um time de futebol capaz de subir de divisão. Para alguns isso é pouco. Volte ao seu colunista predileto e veja que no começo do ano o que sempre valeu e importou foi o acesso. Todos bradavam que tínhamos um time para torcer agora, um time de “homens de honra”, “cavaleiros da Cruz-de-Malta”, dispostos a derramarem sangue no gramado, de lutar incansavelmente pelos resultados. A felicidade provia da entrega de nossos “Templários” e poucos ligavam se jogávamos ou não tão bem. Queríamos acima de tudo, sangue no olho daqueles que nos representavam dentro de campo, o suor do guerreiro era motivo de aplausos. O Vascaíno mudou de pensamento, o que passou a importar de uns tempos pra cá foi jogar bem. Queremos que o nosso time de segunda jogue como um da elite da primeira, para nos sentirmos já como pertencentes ao primeiro escalão. Algo que me soa paradoxal: queremos prazer no ano do sofrimento. Viemos aqui pagar nossos pecados ora essa, e não é porque o time joga mal umas quantas partidas que tudo vai mal. Esse ano eu termino feliz e aliviado. Aliviado por enfim estarmos voltando ao nosso lugar, e feliz por enxergar seriedade, competência e um projeto bem encaminhado para o futuro, para que aí sim, sejamos novamente o Vasco da Gama, que faz jogo duro com o Manchester United, e não com o ABC de Natal.

7 comentários:

  1. independente da vitória suada, o que importa é que o Vasco venceu e que seus principais concorrentes perderam, o que deixa o clube da Colina muito próximo do seu objetivo...

    abraço!!!

    ResponderExcluir
  2. O bom é que temos um grande reforço para o próximo jogo: Fernando não joga! Melhor seria se Amaral tb não jogasse.

    ResponderExcluir
  3. Concordo com você, Dorival Junior é um exelente treinador e depois do ascesso e título, gostaria muito que ele continuasse no comando do nosso Vascão em 2010.

    Abraço
    Jeferson

    ResponderExcluir
  4. Em 2008, o Corintians venceu o ABC em Natal apenas por 1 a 0.

    ResponderExcluir
  5. Eu particularmente, nao tenho duvidas que o Maraca estara lotado. Quanto ao jogo, eu estava presente no estádio e vi um Vasco com muitos problemas no lado direito da defesa. A meu ver, Fernando ainda nao está 100% para ser titular do Vascão e Paulo Sério é aquela inconsistência. Eu voltaria com o Vílson, pelo menos até o fim da Série B.

    Abração

    ResponderExcluir
  6. O Fernando é , disparado, o pior zagueiro do elenco. O Amaral voltou a ser o que era, um volante tenebroso. O Titi é um grosso, ruim de bola d++.

    A zaga desse ano sem o Gian é pior que a do ano passado, a salvação é que os outros times são muito ruins e temos um volante de primeira linha: Nilton!

    O time voltou, pelo menos pra mim a subida está assegurada, mas é vergonhoso. Viva o Dorival por ter conseguido tão bons resultados com um time tão ruim!!!

    ResponderExcluir

Sinta-se a vontade para expressar sua opinião sendo Vascaíno ou não.

Saudações Cruzmaltinas