sábado, 30 de maio de 2009

Tudo sob controle..



Pegue um time inteiro composto por reservas, muitos deles sem ritmo algum de jogo, improvisados em posições que normalmente não jogam, com pouco entrosamento. Agora, coloque esse time em um campo impraticável, que mais parece uma arena de “beach soccer”, completamente esburacado. Uma derrota nessas condições é até justificável, mas, mais que isso, o que pesou na derrota para o Paraná foi a expulsão de Enrico, exagerada por sinal. Me arrisco a dizer que se não tivéssemos um a menos, não perderíamos o jogo. Na medida do possível, jogávamos bem. O time conseguia trabalhar as bolas, criava algumas oportunidades. O Paraná também teve seus momentos, que esbarraram no ótimo momento de Fernando Prass, que fez ao menos duas defesa espetaculares.

Quem abriu o placar no Paraná foi o Vasco. Após jogada muito bem trabalhada pela esquerda, Pará cruzou ótima bola para área e Edgar mergulhou de cabeça para, com estilo, colocar os visitantes na frente. O Paraná empatou, também de cabeça, com Alex Afonso, o grande nome da partida. Antes do fim do primeiro tempo, Enrico recebeu o segundo cartão amarelo ao fazer falta comum de jogo. A precipitação do árbitro prejudicou demais a equipe do Vasco. Na segunda etapa, apesar da desvantagem numérica, voltamos em cima do Paraná e tivemos boas chances de marcar, com Pimpão e Edgard. Porém, o Paraná virou o marcador em ótima cobrança de falta. O Vasco quase chegou ao empate em cobrança de falta de Nilton, que entrou no lugar de Pará. Contudo, em rápido contra-ataque, Dinélson, em posição irregular, recebeu belo passe de Alex Afonso e fechou a conta em 3 a 1 no Durival de Brito.

Foi a primeira derrota do Vasco na competição, que agora ocupa a Terceira colocação na Série b, com 9 pontos. Não há nenhum motivo para reclamarmos, o time nem foi tão mal. Assim como em algumas de nossas vitórias, o placar não traduz o que foi o jogo. A desvantagem numérica prejudicou muito a equipe, o campo então nem se fala. Não há duvidas de que iremos recuperar essa derrota ao longo do campeonato. A cabeça esta lá na quarta-feira ,na batalha do Pacaembu, como não poderia deixar de ser.

Eu acredito em milagres, mas não preciso de nenhum!





Se você é vascaíno, tem direito e dever de acreditar em milagres. Eles acontecem!
Podemos contar alguns na nossa história. Recentemente tivemos a miraculosa e maravilhosa vitória de virada na final da Mercosul, em 2000. Antes um pouco ,em 98, o miraculoso e maravilhoso chute de Juninho Pernambucano estufou as redes do River Plate, calou o Monumental, e abriu caminho para aquela que seria a maior de nossas conquistas. Um milagre só acontece mesmo quando deve acontecer. Apenas quando só ele pode fazer justiça à partida, ao placar, ou ao destino. Milagres não ficam por aí dando sopa.


Mas, pera aí! Quem aqui esta precisando de um milagre?

Acreditem, andam dizendo por aí na imprensa, na tevê, nos jornais, blogs e afins, que o Vasco necessita de um milagre para se classificar as finais da Copa do Brasil. Que tal conquista é uma utopia, um sonho impossível aos Vascaínos. E tudo isso porquê? Porque vamos enfrentar o Corinthians. Sinceramente não vi o Vasco precisando de um milagre para vencer o Corinthians. Vi apenas que será necessário jogar bem, muito bem, conscientemente e organizadamente, tudo que fizemos na segunda etapa no Maracanã e não fizemos na primeira. Vi que será muito difícil, do outro lado estará uma equipe muito bem montada, jogando com apoio da torcida. Mas se é difícil para nós, tem de ser difícil para eles, e na há dúvidas que será. Portanto, Milagre que nada! Precisamos fazer o que já fizemos em muitos jogos na temporada, JOGAR BEM!

Se iremos ou não vencer, não se sabe. Sabemos apenas que podemos, porque também temos um time. Mais humilde, é verdade, mas que não deixa a desejar pra ninguém em entrega e superação. E pera lá! Temos nossos bons jogadores! Carlos Alberto, Nilton, Pimpão, Ramón, Paulo Sérgio, Fernando Prass. Não estamos de bobeira não! Mas que pensem que estamos. Pensem que vamos à são Paulo a passeio. Quem sabe, no fim da noite, não sejam eles a precisar de um Milagre?

sexta-feira, 29 de maio de 2009

Eu acredito no expressinho!


A grande chance!


O Vasco poupará todos os titulares para a partida contra o Paraná nesse sábado. Atitude que deixa evidente qual o pensamento da comissão técnica: Chegar as finais da Copa do Brasil. E, no momento, o que importa realmente é o jogo da próxima quarta-feira no Pacaembu, que pode nos colocar mais perto do sonho de retornar à uma libertadores depois de longos anos afastados.A série B vai até o fim do ano, e um eventual tropeço pode ser recuperado ao longo da competição.

Teremos nesse sábado a chance de ver jogadores que pouco atuaram e outros que sequer vestiram ainda nossa camisa na temporada, caso do lateral esquerdo Pará. O lateral chegou ao clube promentendo ser mais que uma sombra do incontestável Ramón, e a nossa torcida é para que isso se confirme. Jéferson talvez seja o único jogador em campo que tem chances de ser titular no Pacaembu, mas irá a campo contra o Paraná justamente para pegar ritmo e estar em condições ideais de jogo na quarta, afim de não repetir a fraca atuação do jogo no Maracanã. Fernandinho ganhará outra oportunidade na equipe, e, caso queira continuar no elenco,terá de corresponder. Em todas as vezes que entrou em campo, o jogador jogou um futebol equivalente à sua altura, pequenininho. Tenho boas expectativas em relação ao volante Paulinho, que atuará improvisado na lateral direita ao que tudo indica, já que Fagner, o reserva natural de Paulo Sérgio, se recupera de lesão. Outro jogador que enxergo potencial é Bruno Gallo. Nas vezes que jogou, pareceu ser um jogador de qualidade e amanhã terá tempo de mostrar do que é capaz.


Com tantos reservas, muitos deles sem ritmo algum de jogo, é díficil esperar que o Vasco faça um jogo de encher os olhos. Certamente será mais um daqueles jogos complicadinhos, chatinhos, de paciência. O Vasco, diga-se, anda jogando muito bem esse tipo de jogos, pois supera-se sempre pela vontade e pela determinação, ingredientes que certamente não faltarão ao expressinho, visto que muitos jogam ali sua sobrevivência dentro do elenco e alguns até postulam vaga de titular, casos de Matheus e Titi. Confio no expressinho para nos manter na liderança e com 100% na Série B, e você, confia?

O SENTIMENTO NÃO PARA!

quinta-feira, 28 de maio de 2009

A sorte de um amor correspondido!



Não achei o resultado do Maracanã ruim. Face ao que o Vasco apresentou no primeiro tempo, que me fez temer seriamente por uma derrota sumária, o 1 a 1 ficou de bom tamanho. Tudo bem, tomamos gols, a vantagem, embora pequena, é deles, mas o Vasco mostrou grande poder de reação e , tivesse um pouco mais de sorte, poderia ter virado placar. Vimos que não existe monstro nenhum do outro lado.



Como bem disse Léo Lima: “Não existe bicho papão, são 11 homens contra 11 homens”



Léo compreendeu exatamente o motivo dessa torcida, que deu um show memorável no maracanã, estar junto e misturada com o time. Nós, Vascaínos, vemos esses jogadores como verdadeiros Homens, com H maiúsculo. Vemos vontade, vemos suor, vemos entrega e dedicação pela camisa que vestem. Vemos, refletido neles, o nosso sentimento Vascaíno de torcedor quando Pimpão acredita até o fim numa bola perdida, quando Paulo Sérgio vai pro ataque e volta correndo pra defender, quando Ramón corta uma bola e bate no peito gritando, quando Carlos Alberto ilumina o campo com um drible ou um passe genial, quando Nilton divide a bola como quem busca um prato de comida. Vemos neles a mesma vontade e orgulho que temos dentro de nós por sermos vascaínos.

A torcida, diferentemente de outros tempos, ama e apóia incondicionalmente o time, e o time, transforma todo esse apoio em entrega, raça e luta dentro de campo. Nada melhor que viver um amor correspondido!



O SENTIMENTO NÃO PARA!

quarta-feira, 27 de maio de 2009

Nenhum bicho de 7 cabeças!


Se o empate em 1 a 1, dentro de casa, parece um resultado ruim, por outro lado serviu para mostrar que o Corinthians passa longe de ser uma máquina imbatível. MUITO LONGE!
Que é uma equipe bem armada não há dúvidas, porém, não é nenhum bicho de sete cabeças e temos, SIM, chance de vencê-los no Pacaembu. Temos chance desde que entremos com a pegada e a disposição mostrada na segunda etapa.


No primeiro tempo do Maracanã, apesar dos 70 e tantos mil vascaínos que faziam lindíssima festa nas arquibancadas, quem se sentia em casa era o Corinthians. Questão de pouco tempo e os paulistas já nos dominavam amplamente. Tocavam a bola com calma no nosso campo de defesa e aos poucos ameaçavam nosso gol. Nada de pressão, apenas domínio, que não tardou em se tranformar em gol de Dentinho, abrindo o placar e calando o Maracanã. O Vasco parecia meio atordoado, Jéferson visivelmente fora de ritmo não conseguiu acertar nada que tentou. O primeiro tempo terminava com o Vasco saindo no lucro. Ah.. que falta faz o Carlos Alberto- pensava eu e certamente milhões de vascaínos.


A postura vascaína no segundo tempo foi totalmente outra. Nílton foi substituído por Matheus, e Jéferson deu lugar a Enrico. A equipe melhorou, passou a jogar mais no campo ofensivo. Tanto é que Élton, ainda no começinho, foi lançado e bateu para boa defesa de Felipe. Pouco depois, Élton fez esse que vos fala ter um ataque nervoso ao perder um gol imperdoavelmente imperdível. Sorte que ele compensaria sua falha ao deixar de calcanhar, com açúcar e afeto,Pimpão na cara do gol. O ex-dentista fez de tudo pra perder o gol, ainda bem que o zagueiro Willian tentou cortar e empurrou para as própria redes, a bem da verdade, fazendo mais justiça ao placar naquele momento. Deu tempo ainda para estrela de Fernando Prass brilhar e fazer um verdadeiro milagre em chute a queima roupa do volante Elias.


A Vantagem é do Corinthians, mas é muito pequena. A vaga segue em aberto, meu coração segue apertado, e o Vasco, se seguir guerreiro, pode sair do Pacaembu vitorioso. Sobre isso não pairam dúvidas.
E Voce meu caro visitante: Confias na classificação?

terça-feira, 26 de maio de 2009

E daí?


Arranque do coração essa paixão inexplicável que te faz gritar, cantar e exaltar o clube da democracia. Arrancou? Pois bem, sem ela no coração para interferir em sua razão, acredito que voce diga que o Corinthians é favorito ao jogo de quarta-feira e até mesmo no confronto geral.


Diz isso apoiado no fato dos paulistas terem um nível de investimento muito maior que o nosso, e possuírem, em tese, melhores jogadores e mais opções no banco. Verdades até certo ponto incontestáveis. Contudo, o Corinthians não é essa Coca-Cola toda que a imprensa tenta nos empurrar goela abaixo, ainda mais agora, desfalcada do imprescindível gás que o "Fofão" garante ao time, nem sempre pelas suas atuações, mas sobretudo pelo respeito que sua presença impõe. Mesmo assim, reputo o favoritismo aos paulistas.


Mas a história do futebol nos mostra que favoritismo existe até o momento em que a bola rola. Após o apito do Juiz, o que se verá no Maracanã serão duas camisas pra lá de pesadas, duas torcidas incondicionalmente apaixonadas, e 22 guerreiros dentro de campo. Vinte Dois não garanto, posso falar apenas por 11, que estarão carregando uma cruz no peito. Já enfrentamos adversários esse ano que também eram apontados como favoritos, como o "Flamengo", que em tese, também possui jogadores de mais qualidade e um elenco mais capacitado. A bola rolou e quem mandou foi o Vasco.


Deixem que eles sejam favoritos, deixe pensar que encontrarão campo neutro, deixem pensar que não temos jogadores a altura. Coloque a paixão arrancada do peito no primeiro parágrafo de volta, e diga assim:


O Corinthians é Favorito?


E daí?

domingo, 24 de maio de 2009

Nunca ignorem a Cruz de Malta!


Campo Neutro?
Das coisas que andam me irritando ultimamente, tem uma que já vem de longa data: A Imprensa paulista.

Raras exceções existem, mas, em regra, os jornalistas paulistanos ou são Corinthianos, ou são “muito” Corinthianos. Muitas das vezes nem são jornalistas, são ex-jogadores metidos a comentaristas, apoiados na falsa idéia de que só porque foram craques(ou bateram faltas?), sabem tudo de futebol. Alguns até sabem, como no caso do grande Paulo Roberto Falcão, e alguns não, preciso falar quem?

Pois bem, jamais liguei muito para as opiniões deste cidadão, e não seria agora que começaria a ligar. Até gosto quando ele, e a imprensa bairrista de um modo geral, menospreza o Vasco, aliás, coisas que fazem com uma certa freqüência. O que mais me diverte mesmo é o argumento do referido cidadão: Como um time que vence o Fluminense, não irá vencer o Vasco?” . Esta aí a prova clara que ele não sabe nada de futebol, pois, fosse mais informado, saberia que o Vasco é um time que, embora sem renomados jogadores, é muitíssimo mais estruturada que o Fluminense. Fora a garra dos nossos batalhadores, que nem se compara à morbidez das estrelas de papel da Unimed. Temos também um técnico. Eles tinham um, 20 anos atrás.

Mas que pensem assim. Se pensarem que, só porque estamos de férias na segunda divisão, deixamos de ser o Vasco, o grande Vasco da Gama, vitorioso e forte, ficarão em maus lençóis.

Aviso de antemão para que não esperem campo neutro. Muito engraçado isso. Tudo bem que nossa casa é São Januário, mas o Maracanã não nos deixa de ser acolhedor. Funciona como uma espécie de casa de veraneio. Mais arejada, espaçosa, capacitada pra receber muitos “hóspedes”. Não há razões para temer o palco dos palcos, que já nos proporcionou muitas alegrias e vitórias, como o Épico 5 a 2, cinco gols de Roberto,em cima desse mesmo Corinthians, na sua reestréia pelo Vasco.

Jamais ignore essa cruz de malta no nosso peito e a força do nosso sentimento!

As máximas que falam por mim...


Futebol é resultado.

O Vasco não fez uma boa partida hoje. O cansaço, em razão da seqüência de partidas e viagens, pesou um pouco para o time. Mesmo assim, não jogando bem, conseguimos uma excelente vitória, e o que importa é vencer. A vitória do Vasco já me contenta, não exigo futebol-arte. Quando eu quero beber dessa água, trato de ligar a televisão em um jogo do Barcelona, do Liverpool, outrora nos da nossa seleção estrangeira. Do Vasco apenas exigo a vitória, e se ela vier por 1 a 0 todo jogo, me darei por satisfeito. É meio pessimista, confesso, mas antes uma equipe que vença à uma que só dê espetáculo. O ideal é que as vitórias sejam conseqüência do espetáculo, mas nem sempre é assim que funciona. Não é por isso que nós Vascaínos não teremos lances com os quais nos deliciarmos. O que dizer da caneta de Nilton na jogada do Segundo gol? Drible que ilumina o campo, que eternece a torcida. E o que dizer também do craque Carlos Alberto e seu futebol moleque , atrevido?Futebol é resultado, mas há que se achar espaços para arte. E o Vasco, vez por outra, acha os seus.


Quem não faz Leva.


O atlético teve a bola durante todo o primeiro tempo, rondou perigosamente a área do Vasco, teve chances de abrir o placar. Já o Vasco, que se restringiu à tentativas frustradas de Contra-Ataque, não fez nada para conseguir um gol. Acabou por achar um no final do primeiro tempo. Achar não é bem a palavra, pois o tento surgiu de uma jogada incessantemente ensaiada por nosso treinador. Contudo, o gol Vascaíno, que dava tranqüilidade a torcida, não fazia justiça com o placar, já que os adversários haviam sido melhores. Futebol, no entanto, não é questão de justiça e tampouco merecimento, é questão de “bola na rede”, e tivemos a competência para balançar o barbante.

Centro-Avante vive de gols.


Élton e Edgard, de fato, não são atacantes dos sonhos de nenhum torcedor. A bem da verdade, acho os dois muito fracos. O primeiro anda me irritando já tem um bom tempo, o segundo me tirou do sério contra o Ceará. Mas contra fatos não há argumentos. O fato é que Élton é o Artilheiro do time e, bem ou mal, na maioria das vezes mal, deixa sua marca em quase todos os jogos. Hoje foi um exemplo perfeito da maioria de suas atuações. Errou passes bobos, deixou escapar bolas fáceis, perdeu boa parte das dívidas, e deixou seu golzinho, responsável por abrir o caminho da difícil vitória, que o placar ilusoriamente reputa facilidade. Edgard dessa vez não brigou com a bola como fez no Castelão e deixou seu gol, que sacramentou a vitória Cruzmaltina. Na verdade foi 10% de um gol, pois os outros 90% vão pra conta de Nilton e seu drible iluminador.

O que vale são os 3 pontos.


Élton, Edgar e Ramón foram os responsáveis por fazer a torcida imensa bem feliz. Na série B, mais do que nunca, o que vale mesmo são os 3 pontos. É jogo de mais garra que técnica, mais suor que arte, mais dividida que drible. Jogando bem ou mal, vale mesmo é sair com a vitória e garantir mais uma noite tranqüila de sono, com a certeza de estarmos cada dia mais perto do
nosso lugar de direito.



sexta-feira, 22 de maio de 2009

Quem disse que eu quero ser Corinthians?


Povo Vascaíno, uma coisa anda me irritando ultimamente e imagino que irrite à voces também: As tais comparações feitas do nosso Vasco com o Corinthians. Andam dizendo que o Vasco deve se espelhar na trajetória Corinthiana pela série B, e agora ousam dizer coisas como:" O Vasco quer ser o Corinthians de 2008". O que será que pensam estes que dizem isso? O que os leva a crer que nos contentaríamos com tão pouco?


Não meus amigos, nós não queremos ser o Corinthians de 2008. Queremos ser o Vasco de 2009!

Queremos mais do que chegar á final, queremos vencer o campeonato, queremos ataravessar invictos pela série B, queremos sentir novamente o doce sabor da glória com a qual nos acostumamos durante a nosa vida vascaína.


E o Vasco, se precisasse se espelhar em alguma coisa, precisaria menos ainda do Corinthians. Quer melhor espelho que a nossa inigualável história? História marcada pela luta, pela superação de barreiras- dentro e fora de campo.


Ora, essa é muito boa! Desde quando um clube como o nosso, Bi Campeão Sul americano, rompedor das fronteiras sócio-raciais no esporte, com a mais bela, apaixonada e vibrante torcida do mundo, poderia se contentar em trilhar caminhos de Corinthians?


Trilharemos os nossos e os demais que tratem de se preocupar!


Ps: Qualquer semelhança entre esta postagem com o "Blog do Leitor" do jornal Lance, não é mera coincidência. Meu blog do lance Activo será publicado na edição desta sexta(22).

quinta-feira, 21 de maio de 2009

Fala garoto!



Sou daqueles que prefere os Faladores aos engessados. Vejo as provocações como parte do futebol. Dão vida e cor e ao espetáculo, motivam as torcidas a comparecerem em massa aos estádios para conferir seu craque transformar em ação, as palavras ditas durante a semana. Antigamente quem falava era craque, pois ao falador cabe provar o que diz, e apenas um craque é capaz de fazê-lo.



Curioso é que, no futebol de hoje, todos se julgam no direito de falar o que bem entendem. Vejam vocês, até um tal Neto Baiano desandou a falar. Garantiu que marcaria 3 gols no Vasco e que seu time certamente classificaria-se as semi-finais. Imagino que ao marcar o gol logo no início da partida de ontem, Neto Baiano tenha acreditado na própria bravata. Nosso bom baiano Élton, no entanto, tratou de empatar e jogar a última pá de terra nas esperanças rubro-negras. Talvez tenha sido isso que deixou o falastrão irritadinho. E ele, que ao longo da semana deu entrevista dizendo ser um homem mudado- um atleta de cristo-, teve atitude reprovável aos olhos do senhor, cuspindo no rosto de Ramón, o que lhe valeu um vermelho, impedindo que cumprisse sua ousada promessa. Fica pra próxima!



O Vasco agora é o único carioca nas semi-finais da Copa do Brasil, para minha decepção. Decepção que compartilho com outro falastrão, Thiago Neves. Assim com eu, Thiago gostaria de ver 4 cariocas na libertadores. Terás de contentar-se com no máximo um: O Vasco. Corto meu braço se Flamengo, Botafogo, ou a Unimed de Thiago Neves conseguir classificação ao torneio via campeonato brasileiro. Que pena “Thiaguinho”, não será dessa vez !



Procure aproveitar melhor suas chances, quem sabe não perdendo um pênalti na decisão da libertadores ? É uma viu...Podias ser hoje o maior ídolo da torcida coloridinha.



Enquanto não acontece, eles seguem venerando o Corinthiano, e você segue sendo insgnificante.

quarta-feira, 20 de maio de 2009

Eu mudo de nome!!!


O DIFERENCIAL!
Eu duvido que o Vasco seja eliminado pelo Vitória amanhã.


Embora reconheça que o futebol é solo fértil para a germinação do imponderável, haja imponderabilidade!


Um time, que constrói vantagem de 4 gols sobre o outro, não pode perder um semana depois por um placar igual ou superior para esse mesmo adversário. Ainda mais porquê venceu e convenceu. o resultado não foi um mero acaso.


Digo mais: É perfeitamente possível ir ao Barradão e vencer! Basta jogarmos com inteligência e nos aproveitarmos das brechas que o vitória terá de dar se quiser mesmo passar de fase.


Duvido que a torcida rubro-negra esteja em peso no estádio, ainda mais sob o iminente risco de chuva na capital baiana. E esse discurso mega otimista empregado pelos baianos é da boca para fora.Eles no fundo sabem que é uma missão quase perdida, mesmo que um tal Neto baiano prometa 3 gols e classificação aos torcedores do Leão.Pode isso? ("Falador passa mal rapaz, falador passa mal!")


E quer saber? Mesmo que a torcida estivesse em peso, time por time, eu sou mais o Vasco! Muito mais! Basta fazermos uma comparação. O craque deles é o Ramón em fim de linha, o nosso é o Carlos Alberto no esplendor da forma.


Podemos até perder o jogo, mas se formos eliminados, eu mudo de nome!


domingo, 17 de maio de 2009

São Marcos? Santo mesmo é o Dorival!


Há uma semana, articulistas, colunistas, blogueiros e jornalistas em geral dedicam suas melhores linhas ao goleiro Marcos do Palmeiras. Cantam aos 4 ventos os milgres do goleiro, alguns até vão além e pedem o santo palestrino na seleção brasiliera novamente. Mas o futebol brasileiro não conta apenas com um Santo. São Marcos é venerado por seus fiéis palestrinos, já os cruzmaltinos veneram "São" Dorival Júnior, que não defendeu nenhum penâlti mais também faz seus milagres. Vejamos pois, os milagres do técnico beato.


Das causas impossíveis-


Milagre 1:

"São" Dorival Jr chegou ao Vasco no início do ano com a missão de reerguer o gigante. Com pouco dinheiro em caixa, o técnico "se virou nos 30" e montou um elenco recheado de jovens valores, apostas e desconhecidos. Poucos esperavam que o Vasco almejasse algo grande no campeonato estadual. Após a derrota na estréia, a desconfiança cresceu. O time, porém, aos poucos foi se acertando e se classificaria as finais da Guanabara não fosse o imbróglio do Caso Jéferson, que nos impediu de avançar. Após o canetasso do tribunal, o abatimento do grupo era nítido. "São" dorival segurou a peteca e liderou a camapanha de 100% na Taça Rio. Nas semi finais, viria o duro golpe e a eliminação inesperada frente ao Botafogo. A torcida reconheceu o esforço da brava equipe, e mesmo derrotado, O Vasco saiu aplaudido de campo.


Milagre 2:

Há tempos a defesa vascaína era sinônimo de dor de cabeça aos devotos da sagrada cruz de malta. Sob o Comando de Dorival, o panorama mudou. "São" Dorival conseguiu acertar o sistema defensivo e , se antes a zaga era motivo de preocupação, hoje, é a personificação da segurança. O Vasco de Dorival possui média inferior há 1 gol sofrido por partida. Corações cruzmaltinos já não se afligem tanto quando a bola vai chegando perto da nossa área.


Da água para o vinho-


Milagre 1:

De perseguido da torcida à Cherife da defesa. Este é Amaral. Sim, Amaral! Não lembra nem de perto aquele de outras épocas, que falhava quase todo jogo e comprometia as atuações do Vasco. Sob o comando do "santo", ele hoje tem seu nome entoado pelas arquibancadas e virou peça chave do esquema vascaíno. Sempre muito atento, veloz e com raça acima da média, Amaral conquistou a confiança da torcida e , se não puder jogar, todos os considerariam como sério desfalque.


Milagre 2:

Problemático, desagregador, marrento. Esses eram os adjetivos do meia Carlos Alberto. Sob o comando de Dorival, a marra do camisa 19 vai sendo deixada de lado e dá vez ao discurso humilde e ao espírito de grupo. A nova postura do talentosíssimo meia é totalmente outra. Com a confiança do comandante, Carlos Alberto não só é o capitão, como o grande líder da equipe dentro de campo. O próprio diz que as conversas e os conselhos do "Santo" o fizeram entender sua importancia para o grupo e atribui a ele o seu belo desempenho dentro dos campos.


Milagre 3:

Esse talvez seja o grande milagre de Dorival. Remanescente do inglório ano de 2008 e tal como Amaral, constantemente perseguido pela torcida, Vílson cresce de produção a cada jogo e espanta cada vez mais a desconfiança da torcida com suas seguras atuações. Isso sim que é mudar da água para o vinho.


Ante essas constatações, pergunto a voce que me visita: Dorival é ou não é um Santo!?

sábado, 16 de maio de 2009

Missão dada é missão cumprida! Só Faltam 18!


Ramónstro: O craque do jogo!
A promessa de casa cheia foi cumprida, bem como a de grande presença Vascaína no estádio do Castelão. No final, maioria calada e minoria fazendo a festa. Os responsáveis por manter o 100% de aproveitamento foram Ramón,Léo Lima e o goleiro Fernando Prass. Aliás, o goleiro vem se mostrando muito seguro na meta vascaína, e vai ser difícil para o Thiago recuperar essa vaga, muito díficil.


O primeiro tempo me fez um mal danado, pois fumei um sem número de cigarros por conta do nervosismo. Começamos melhor, desperdiçamos duas boas chances de marcar e paramos. O Ceará, por sua vez, conseguia colocar a bola no chão e começou a criar ótimas chances. A mais clara delas, Wellinton amorim conseguiu a proeza de perder ao chutar no travessão. A primeira etapa acabava e o sentimento vascaíno era de alívio, por não ter sofrido gols, e preocupação, porque não jogava bem e se ressentia, como se ressentiu o jogo todo, do toque de qualidade dado por Carlos Alberto.


A segunda etapa começou da mesma forma que a primeira, o Ceará buscando o ataque e o Vasco apostando no contra-ataque, que contudo emperrava na lastimáveis atuações de Élton e Edgard, substituto do não menos lastiamável Magno. Mas, Fernando Vidal resolveu inventar e até conseguiu êxito ao deixar dois Vascaínos sentados dentro da área. Quando tentou lançar, entregou nos pés de Léo Lima, deste a bola chegou a Ramón, e com um chute violento o Vasco abriu o placar jogando pior. A partir daí o Ceará se lançou ao ataque, e o falante Geraldo conheceu a estrela do goleiro Fernando Prass, que operou duas defesas fantásticas e evitou o empate dos donos da casa. Perto do fim, Ramón tomou bola no campo de defesa na base da vontade, tabelou e recebeu na frente. O Chute cruzado venceu Marcelo Bonan e sobrou para Léo Lima, dentro da pequena área, só empurrar para dentro e sacramentar a díficil vitória.


O jogo não foi bom, mas o Vasco se superou na vontade, superou o péssimo gramado, e bateu o "Favorito" Ceará(Né geraldo?) dentro de seus domínios. O próximo jogo pela série B será no próximo sábado ante ao Atlético Goianiense. Com a classificação praticamente sacramentada na Copa do Brasil, a promessa é de colina abarrotada e o palpite? Bom, o palpite é a vitória. Alóísio provavelmente fará sua estréia e o time só tende a melhorar. Estamos a 18 vitórias do acesso!

sexta-feira, 15 de maio de 2009

Terra boa!


bola pra quem sabe!
A ordem agora é esquecer a Copa do Brasil e concentrar atenções na Série B. Neste sábado, teremos nosso segundo desafio rumo a elite. As 16:10, procure um lugar confortável frente a uma televisão, vista-se com o sentimento vascaíno, e espere por dificuldades contra o Ceará. É lugar comum dizermos que o grande atrativo deste campeonato é o nosso Vasco. O gigante é um verdadeiro estranho nesse ninho, e todos desejam tirar sua casquinha de nós. Por isso, promessa de grande público no Castelão para apoiar o alvi-negro cearense rumo a vitória. Os Vascaínos também se farão presentes, e, certamente, se farão ouvidos caso o Vasco mostre o futebol competitivo que mostrou até agora. Jogando a bola redondinha da última quarta, vencemos o Ceará em qualquer lugar: Aqui, lá e em marte!


O jogo será lá, na capital Fortaleza. Curioso é que, em todas as visitas ao Nordeste em 2009, o Vasco colheu bons resultados. "A boa terra" parece que faz bem ao nosso time. Senão vejamos: O primeiro compromisso no nordeste foi em partida contra o Flamengo do Piauí, partida válida pela copa do Brasil e vencida facilmente pelo Vasco por 4 a 1. Depois, pela mesma copa do brasil, o gigante visitou o Central de caruaru, time que aliás, eliminou o Ceará na primeira fase do torneio. A partida também foi vencida de forma desprecoupada por 3 a 0. Em seguida, foi a vez do pernambucano Santa Cruz sentir a força do gigante, que mesmo se valendo de muitos reservas, venceu o tricolor por 3 a 2 em partida amistosa. Nossa última passagem pela "boa terra" foi justamente no Ceará quando, em jogo válido pela Copa do Brasil, despachamos o Icasa por incontestáveis 4 a 1.


Em que pese os desfalques de Carlos Alberto, que pediu para ser poupado e não correr risco de lesão, e Rodrigo Pimpão, que sentiu dores no joelho, o Vasco vai ao Ceará tentando manter o ótimo retrospecto em partidas contra nordestinos nessa temporada. Para o lugar de Carlos Alberto, o escolhido foi Enrico, que esperamos que acorde pra vida e apareça para o jogo. Já Pimpão cederá lugar ao estreiante Magno. Dorival preferiu escalar a jovem promessa no ataque pois acredita que os substitutos naturais de Pimpão, Kardec e Edgar, não dariam a mobilidade esperada, o que tornaria o ataque presa facíl para qualquer marcação.Bem pensado. O Vasco tem totais condições de vencer no Castelão. Se eu tivesse que apostar meu dinheiro em um vencedor, apostaria tudo no Vasco. Você não??

quarta-feira, 13 de maio de 2009

Vasco wins....Fatality!!!


Nem em minhas mais otimistas projeções imaginava um placar como esse. E vo te dizer um negócio: Ficou Barato! Essa vitória contundente da a medida do que esse Vasco completo é capaz de fazer. Mostra que vontade não falta, tampouco bom futebol. Hoje vencessemos pela vontade, mas, sobretudo, pelo futebol de altíssimo nível. Não é nem necessário dar notas para as atuações individuais, basta dizermos que o Vilson foi perfeito. O time inteiro foi perfeito. Impressionante como a entrada de Nílton muda o Vasco da água para o vinho. O Vasco se torna um time extremamente dinâmico, um time que consegue trocar passes com grande qualidade.


Fomos senhores do jogo durante os 90 minutos. O Vitória parece ter ido ao gramado só para fazer número. Chegou perigosamente apenas duas vezes na partida inteira, em ambas, Fernando Prass foi perfeito. O goleiro mostra que tem condições também de ser titular e hoje foi impecável, embora pouco exigido. A festa teve início com um gol de Carlos Alberto, que após receber presente de Luciano Almeida deixou o mesmo no chão, se livrou de outro zagueiro e bateu firme pras redes. No final da primeira etapa, Elton ampliaria o placar após receber passe de Léo lima-que pra nossa sorte parece ter recuperado a boa forma. O 2 a 0 já me era bastante satisfatório, mas tinha mais. No início da primeira etapa, Paulo Sérgio bateu falta primorosa e ampliou. Pouco depois foi a vez do Mestre Nílton-que corre, que marca, que sai jogando, que da aula de futebol- soltar um canudo indefensável e fechar o caixão dos baianos.Vitória com "V" de Vasco.


Vitória de enxer os olhos da galera e dar um "chega pra lá" na desconfiança.Agora, apenas uma catastrofe sem precedentes nos tira essa vaga. Hoje não tem crítica, reclamação, ou coisa do tipo. O Vasco hoje só merece aplausos, de pé!

terça-feira, 12 de maio de 2009

Respeitar sem medo

A bola é dele!!!!!
Povo Vascaíno,


Amanhã continua nossa saga na Copa do Brasil. Será a primeira vez que enfrentaremos um adversário da nossa estatura-um clube de série A como o nosso. Uma equipe muito bem montada, com torcida, estádio, história e tradição.De fato um adversário merecedor de todo nosso respeito. E que não confundam respeito com temor. Há que se ter cuidado, mas a receita para a classificação passa pelo nome do adversário: Vitória. De preferência sem sofrer gols. Mas o importante mesmo é vencer, nem que seja pelo absurdo placar de 7 a 6.


Além de ser fundamental vencermos para avançarmos na competição e nos colocarmos a 4 passos de um libertadores-que seria um sonho-, uma vitória, contra um adversário de nível de série A, daria uma levantada bonita no nosso moral. Faria com que a parcela incrédula da torcida vascaína, ainda que minoritária, passasse a ter mais confiança nesse nosso bravo time.


E aos poucos o Vasco vai retomando a sua cara. A volta de Nílton- que na minha opinião é nosso melhor jogador- é providencial para a melhora do nosso desempenho. No jogo contra o Brasiliense, tal tese ficou escancarada. Um meio composto por Nilton, Carlos Alberto e Léo Lima, sem esquecermos do valente e vigoroso Amaral-que calou muitas bocas, inclusive a minha- da uma nova dinâmica ao nosso time. Melhora a saída de bola, melhora o toque de bola no meio campo, melhora a marcação e da a liberdade de que tanto precisa Ramón e Paulo Sérgio. O que mais me preocupa é a dupla de zaga. Vilson e Gian não me passam um respingo de confiança. Ambos lentos, ambos atabalhoados, fracos técnicamente. Que compensem na garra, como têm feito.


Não irei a São Januário, mas tenho certeza que estarei bem representado por minha torcida maravilhosa, que não deixou o sentimento parar e certamente jogará ao lado do time para conseguirmos essa classificação.




domingo, 10 de maio de 2009

Segunda divisão????


Sabe meus amigos, ao chegar na Colina histórica ontem e ver aquela torcida maravilhosa, da qual orgulhosamente faço parte, cantando apaixonadamente, abarrotando as arquibancadas históricas e fazendo a festa que só ela pode e sabe fazer, quase me esqueci que aquilo era um jogo de série B.


E não era mesmo. Era um jogo do Vasco. Com direito a toda pompa e circunstância que um jogo do Vasco demanda e merece. Um espetáculo de fé e devoção à cruz de malta. A certeza que o sentimento não só nunca parou, não irá parar, crescerá, multiplicará e perpetuarar-se para todo o sempre.


E para você que achou aquele jogo um mero embate de segunda divisão, explique isso para essas crianças da foto entrando junto com nossos guerreiros. No começo tímidas ali dentro de campo, esperando ansiosamente seus ídolos entrarem no gramado, trajando dos pés ao coração o sentimento vascaíno na sua mais bela pureza e inocência. E, ao passo que a torcida abarrotava mais e mais a colina e se inflamava, aqueles pequenos Vascaínos se viravam para as arquibancadas, maravilhados com o show que de lá vinha, e batiam palmas, cantavam músicas, pulavam e vibravam pelo Vasco, pelo amor sem divisão.


Aqueles meninos e meninas, do alto de seus seis e sete anos, sabem muito mais do que é ser Vascaíno que muito barbado por aí. Não fazem nem idéia das politicagens, não querem nem saber de Eurico ou de Dinamite, querem saber do seu time do coração que, eles ainda não sabem, mas saberão um dia que é o Maior de todos, pela sua história e pela sua legião de apaixonados!


sábado, 9 de maio de 2009

3 pontos mais perto!


PIMPÃO FEZ A FESTA DA GALERA!!!
Antes de mais nada gostaria de dar minhas notas para as atuações dos jogadores vascaínos, quer dizer, minha nota: 10.


Dez pela atitude, pela entrega, pela garra, pela busca incessante pela vitória. E se num foi lá um grande espetáculo dentro das quatro linhas, fora delas a torcida deu seu show particular.


Adoro esses dias de caldeirão. Um verdadeiro show de devoção à cruz de malta, uma aula de como torcer. Um caldeirão digno dos melhores tempos . Quando a bola rolou, nem passou pela minha cabeça que era uma série B, C, d ou W. Era o Vasco. Isso já basta pra fazer meu coração bater de alegria.
Por falar em coração, hoje ele passou no teste. Estive tenso em quase todos os momentos da partida e, gritando a plenos pulmões, marcava cada ataque Brasiliense.No final fui recompensado por essa belissíma goleada Vascaína! Bom Deus!

O primeiro tempo foi de deixar preocupado. A tensão tomou conta da colina: " Como assim zero a zero?". Podia ter sido pior. Podíamos até ter levado um gol no chute do candango lá. Sorte que a bola pegou na trave e procurou as mãos seguras de Fernando Prass. Verdade também que podíamos ter feito um gol quando Élton desviou perigosamente o cruzamento de nosso bravo Paulo Sérgio. O Vasco ia bem quando a bola passava pelos pés de Carlos Alberto, que arrumou uma marmorta no cabelo, assim como arrumou uma marmota na defesa brasiliense. Eu contei uns 5 dribles desconcertantes.


Mas, veio o segundo tempo e a postura vascaína melhorou. A marcação passou a encaixar melhor e começamos a jogar somente no campo de ataque. A defesa do jacaré se virava como podia, e o negão lá tava dando prejuízo nos nossos atacantes. Com a pressão Vascaína em campo, fora dele-ou quase que dentro- a torcida se inflamava. Embalado pelos gritos da galera, Pimpão- o incansável- recebeu assistência de Ramón e chutou firme para fazer o primeiro gol da caminhada do acesso!


O chão tremeu nesse momento, o grito entalado na garganta finalmente pôde sair e elevar os decibéis na colina histórica. No entanta, o sufoco estava longe de acabar. O Jacaré chegava e eu quase ia a loucura com o Gian e o Vilson( tome chutão!). Ampliar que nada, tava era torcendo pra acabar.


Na série B 1 a 0 é goleada.


Três pontos mais perto da elite!!!

sexta-feira, 8 de maio de 2009

Porque nosso amor é adivisional!


Uma sinfonia composta por 40 mil mãos
Conversando com amigos vascaínos nos bares da vida, na faculdade, na internet, ouvi de muitos a seguinte frase:


"É João( o almirante foi agraciado com um nome de apóstolo) agora que vai cair a ficha, agora que nós vamos saber o que é a série B."


A minha ficha já caiu tem tempo. No dia seguinte ao fatídico jogo contra o vitória ela já estava dentro da maquininha. Até porque, mesmo se eu quizesse esquecer não conseguiria. Melhor, não me deixariam. Como esse mundo não é perfeito e, nem todos encontraram a iluminação necessária para seguir incondicionalmente a Cruz de malta, tenho amigos tricolores, botafoguenses e Rubro-Negros e, especialmente esses últimos, fazem questão de lembrar-me diariamente e por todas as mídias possíveis( celular, orkut e até mesmo esse humilde blog) que nosso Vasco esta na série B. Os outros nem fazem tanta questão e as razões são até bastante óbvias.


Vejo muitos encarando a série B como algo extremamente desonroso, uma vergonha histórica, um absurdo. Não que isso não seja em parte verdade. Somos o Vasco meus amigos, a série b não é pra nós. Mas vejo-a como consequência. Era de se esperar que um dia isso acontecesse. Que equipe aguenta impunemente anos e anos de má administração? Anos e anos de tirania? Mas a série B não é esse inferno também. Antes cair e se reerguer mais forte, do que apenas sobreviver na série A, apenas cumprir 38 rodadas de tabela. Se a série B não é lugar para nós, tampouco o décimo segundo ou décimo sexto posto o é. Somos o Vasco meus amigos, e o Lugar do Vasco é sempre entre os primeiros. Sejas quente ou frio, jamais morno. O Vasco não pode ser morno.


Veja a questão por outro lado. No final do ano provavelmente estaremos, se deus quiser, festejando nosso acesso a elite, mas o que será que estarão festejando nossos rivais cariocas? Ou melhor: terão algo para festejar? Será que o Imperador problemático vai dar liga no reino igualmente problemático da gávea? Os desmedidos esforços do Plano de saúde dessa vez darão resultados ou darão em água- como na grande maioria da vezes? Será que a estrela solitária brilhará como nunca, ou se apagará como sempre?


Sábado começa a batalha, que os guerreiros se apresentem em São Januário e façam uma festa inesquecível, uma festa sem divisão, porque nosso amor é adivisonal!!!

quarta-feira, 6 de maio de 2009

Não mais que a obrigação!


Jogando assim é titular
Não fizemos nada além de nossa obrigação, eliminar o último colocado do campeonato Cearense. Confesso que não esperava tanta facilidade, mas hoje o Vasco resolveu entrar em campo. Não duvido nada que os jogadores semana passada tivessem o mesmo pensamento que o nosso: " Pô, esse time é rebaixado do Cearense, vamos ganhar a hora que quizermos." Mas o buraco era mais embaixo. Não tão lá embaixo também, vá lá...


Bati a semana inteira na mesma tecla: O nosso time reserva tem o dever de provar que é melhor que o Icasa. Hoje, entrando ligado desde o primeiro minuto, não encontramos nenhuma dificuldade para construir um placar condizente com um Vasco x Icasa, 4 a1. Os gols foram de Léo Lima(2), Élton(1) e Vilson(1).E não foi nem preciso forçar muito a barra para confirmar esse resultado, tamanha era a superioridade fisíca e técnica do Vasco sobre o Icasa.


Não vou detalhar o jogo, porque se é isso que você quer ver, que veja no globoesporte.com. Prefiro usar minhas linhas e seu tempo com a minha opinião. E uma coisa que não posso mesmo deixar passar em branco é a atuação de Léo Lima. À parte suas costumeiras firulinhas, Léo fez, sem dúvida, sua melhor atuação nessa temporada. Eu devo ter sido o sujeito mais paciente com ele entre meus amigos blogueiros, talvez, só Dorival Jr tenha tido mais paciência que eu. Hoje, ele finalmente decidiu retribuir. Enquanto muitos pediam sua cabeça, eu pedia tempo. Tempo para que ele percebesse a importância de bem render para essa equipe.Não que ele tenha feito uma partida excepcional, mas decisivo ele foi. Dois penaltis bem batidos, sem sustos, sem riscos, sem goleiro na foto e sem ridículas paradinhas. Mas o lance que pra mim simboliza a boa atuação é o passe que origina o primeiro penalti. Um passe objetivo, vertical, nas costas da defesa. Um passe que só é capaz de dar quem tem talento. E isso o Léo tem de sobra, faltava mostrar. Falta mostrar. Jogando o que pode, Léo é titular absoluto e indiscutível desse Vasco.


Hoje o Vasco entrou em campo. E, nele, mostrou a superioridade que se espera do Vasco sobre o Icasa. Para os que torciam contra só pelo prazer de cornetar, esta aí a resposta.

terça-feira, 5 de maio de 2009

Corneteiros, Super-trunfo e Preocupação...


Durante essa semana participei de alguns fóruns de discussão vascaínos, comentei em comunidades no orkut e procurei saber da opinião dos vascaínos sobre a equipe e as expectativas para a temporada 2009.


Depois dessa análise, pude perceber que, no geral, o sentimento vascaíno é de apoio incondicional a equipe. Uma ou outra reclamação pertinente quanto a jogadores ainda abaixo do nível que se espera, e diversos corneteiros.


Corneteiros eu relevo. São do tipo voláteis, mudam de opinião ao sabor dos resultados. O Vasco ganha, e esta pronto para glória, poderia jogar até o mundial. O Vasco perde, e ninguém mais presta, todos são pernas de pau, clamam urgentemente por uma barca, reclamam do técnico( ve se pode?), sugerem novos esquemas táticos mesmo sem ter noção alguma do que falam. Me divirto com esses sabidões.


Mas, uma coisa realmente me preocupa. Amanhã jogaremos nosso futuro na Copa do Brasil ante ao modesto Icasa, rebaixado no campeonato Cearense. A equipe que vai a campo em Juazeiro é quase a mesma que jogou terrívelmente em São Januário. A única alteração será a entrada de Léo Lima no lugar do barrado Alex Teixeira. Quem sabe o Léo, um dos grandes nomes do início do ano, longe da pressão e das vaias constantes da torcida, consiga mostrar aquele futebol que fez ele defender camisas de grande porte do futebol Brasileiro. Assim espero.


No post, logo após o terrível empate com gols em São Januário, afirmei que o time reserva do Vasco tem o dever de ser melhor que o Icasa. E é, faltou apenas demonstrar.Não paira dúvidas sobre a melhor técnica de nossos reservas sobre o Icasa. Mas futebol não é super-trunfo, onde quando se tem melhores atributos, inavariavelmente, se ganha. É preciso provar.Vi muita gente ignorando o fato de termos atuado remendados, com cinco importantíssimos e fundamentais desfalques, dizendo que não temos elenco. Temos sim elenco, mas nosso time reserva, com a zaga reserva, o meio reserva, é bem pior que o titular. Uma coisa é entrar um reserva-Enrico por exemplo- num time estruturado e a outra é ele entrar num time todo modificado e pouco entrosado. Responda-me que time não sente 5 ausências? Deixa comigo: O Barça, O Manchester, O Chelsea, a Inter... Vivamos pois a realidade.


Apesar do empate com gols, não se espantem se vencermos bem o Icasa em juazeiro. Não se espantem também se os Corneteiros almejarem o título mundial.

sexta-feira, 1 de maio de 2009

Resposta pra um Botafoguense Bobão!


TOMOU???



Na postagem " Como os gigantes brasileiros sobreviveram a série B", fui surpreendido pelo seguinte comentário de um anônimo Botafoguense e me senti impelido a responde-lo de forma satisfatória e transformar a resposta em postagem pra que fique bem claro a ele, e a todo mundo que com ele concorda
, a verdade dos fatos.
O comentário:
"acredito que o vasco vai sub ir com dificuldades e grandes. E quanto a falarem que o fogão é um time médio pergunto qual time hoje considerado grande ta na série B?"

Primeiramente, Concordo com o anônimo quanto ao Botafogo ser grande. Não pela sua torcida e tampouco pela quantidade de títulos que possui, e sim pela tradição e história.

Sua pergunta final, no entanto, soa-me rídicula. Pergunta rídicula que só pode ser feita respaldada pelo anonimato. É óbvio que a Resposta é: Club de Regatas Vasco da Gama.

Aliás, um clube que, se comparado ao Botafogo, é muitissímo maior, Haja vista o número de torcedores quase 8 vezes maior, o Número de títulos, que pra ficar por baixo posso citar: 4 Brasileiros da Série A e dois campeonatso sul-americanos, titulo, por exemplo, que o Glorioso jamais, em momento algum de sua história, até mesmo com Garrincha, chegou perto de conquistar. Reconheço a grandiosidade Botafoguense. Voce, sob pena de correr o risco de ser imbecil, idota -certamente ignorante, teria o dever de reconhecer a grandeza de um Clube como Vasco, levando-se em conta o fato dele, por exemplo, ser muito mais expressivo que o seu.

A época mais gloriosa do Botafogo se deu jusatmente no período em que Garrincha defendia o glorioso entre 1953 e 1965, época que coincidiu com um período pouco vitorioso do Vasco. Os números do vasco nos confrontos contra o Botafogo neste mesmo período, no entanto, dizem o seguinte:

23 vitórias Vascaína 12 Vitórias Botafoguenses 9 empates.

Portanto, nem com um dos melhores jogadores da história, o Botafogo foi páreo para o Vasco. Deve ser por isso que a diferença de vitórias no Confronto geral é assustadoramente maior pra o Vasco. Bom que se diga que entre todos os classicos do Brasil, é a maior diferença entre clubes rivais. Não a toa, Nílton santos, outro monstro do futebol, ao parar de jogar, disse a seguinte frase:

"Nós tínhamos um timaço, mas contra o Vasco não havia jeito. Podiam entrar com onze cabos de vassoura em campo vestidos com a camisa do Vasco que nós não ganhávamos".


Creio que tenha respondido de maneira satisfatória sua pergunta!

Eu, que não tinha o menor dever de reconhecer o seu time, reconheço. Exijo mesmo! Mas quer saber? Pouco ligo pro que voce acha, afinal, nem botar a cara ae voce tem coragem.

Estamos conversados bobão?


PS: Continuo afirmando, até em respeito aos Botafoguenses que aqui participam não pra afrontar-me como este cidadão, todo meu respeito a instituição Botafogo de Futebol e Regatas, sem dúvida uma das mais gloriosas e importantes da história do nosso Futebol.