sexta-feira, 31 de julho de 2009

Vivendo a realidade!


Viestes em busca de quê,caro amigo torcedor? Bom futebol? Desculpe, mas por aqui não fabricamos mais isso. Viestes procurar na divisão errada. Procures na Série A, mas já adianto-lhe que darás com os burros n’àgua do mesmo jeito. Talvez, inclusive, estejas a procurar no país errado. Aqui, na série B,que não encontrarás mesmo. Aqui é mais Cara Feia que sorriso, mais bico que trivela,mais dor do que prazer, mas dividida que drible, mais prosa que poesia. Uma prosa densa, difícil, morooosa, constantemente virgulada por toda e qualquer espécie de falta. Carrinhos, encontrões, puxões, agarrões e pisões dão a tônica do espetáculo. Portanto, se ainda sonhas em ver grandes apresentações e partidas dignas de um aplauso em pé, sugiro que desças dessa nuvem e pise na realidade, nua e cruel.

Não verás futebol arte por aqui, até porque quem é capaz de jogá-lo, logo se manda para europa, e, enquanto não acontecesse, leva broncas dos apitadores por passar umas quantas vezes o pé em cima da bola. Privilegia-se o brucutu. Privilegia-se o futebol de competição, da busca incessante por espaços e é melhor você se acostumar a isso o quanto antes e parar de sonhar. Quer espetáculo? Vás ao teatro, pois isso aqui é Futebol e “Futebol é pra homem”. O que esperar do jogo de Sábado entre Vasco x Juventude então? Muita luta e só.Se lhe serve de alento, as vitórias obtidas com bom futebol, valem os mesmos pontos que as obtidas com futebol feio. Logo, em caso de vitória, recomendo que delicie-se e lambuze-se fartamente nos 3 pontos. Pode ser triste, mas é melhor que se iludir

quarta-feira, 29 de julho de 2009

Me parece justo


foto:globoesporte.com





Vasco e Fortaleza fizeram um jogo "pra lá de chatinho". Apesar do futebol abaixo da crítica apresentado, vencemos, 2 a 1, e o que importa é vencer e somar mais três pontinhos. Aliás, são apenas três pontinhos que nos separam do novo líder, Atlético Goianiense. Sim! Este é aquele time que vencemos por 3 a 0 em São Januário, com certa dificuldade,é verdade. Os gols foram marcados por Alex Teixeira(quem diria?), que justificou, com um belo gol, pelo menos um milhão dos 100 milhões que dizem que vale, e Adriano, de pênalti, daqueles marotos, que se fosse contra nós estaríamos a nos esgoelar em reclamações. Um placar justo. Embora não tenhamos feito uma boa partida, fomos mais merecedores da vitória que o Fortaleza. O Vasco não teve muito tesão de jogar,e eu não tive muito tesão de escrever. Me parece justo.

E Você, achou o quê dessa pelada?

sábado, 25 de julho de 2009

Gol de escanteio não existe!



Logo vi que hoje o jogo iria ser diferente. Numa partida onde o Alex Teixeira consegue fazer um gol, pode se esperar qualquer coisa, até que o Vasco entregue de bandeja uma vitória bem encaminhada. Fomos acometidos pela velha mania de segurar o resultado de 1 a 0, e não matamos o Bahia quando tivemos chance. O castigo veio a cavalo, e agora eu não queria estar na pele dos jogadores Vascaínos, que devem estar ouvindo poucas e boas do Dorival. Simplesmente não se admite que uma equipe profissional de futebol leve dois gols de escanteio com um jogador a mais. Gol de escanteio é inadmissível! Não existe!


Acaba que perdemos boa chance de encostar no até aqui líder da competição Guarani, que, conforme o esperado, começou a ratear na série b e comprovar que é um time porcaria a exemplo de todos os outros. Embora agora estejamos fora do G-4, em termos de pontuação continuamos bem posicionados e o importante é estar no g-4 na última rodada e não agora.Que dessa derrota se tirem algumas lições. A mais importante delas, que na verdade é um dos preceitos básicos do futebol, é tocar a bola para o companheiro mais bem posicionado. Em todos esses 21 anos que estou vivo, eu nunca vi esse expediente falhar. Veja por exemplo, aos 40 do segundo tempo. Souza encontrou Adriano, seu companheiro melhor posicionado, de frente para o goleiro e passou-lhe a bola. O atacante driblou o goleiro, mas, ao invés de servir Carlos Alberto, seu companheiro muito bem posicionado, preferiu olhar pra o chão feito um tatu e acabou chutando a bola nas pernas do zagueiro.Chegava a hora de entrar em cena o “quem não faz leva”. Esse é um dos clichês que sempre funciona,e hoje ele funcionou por intermédio de Nem, zagueiro do Bahia. A rigor, foram as únicas chances do Bahia. Duas malditas cobranças de escanteito, onde a zaga apenas olhou, duas vezes, o zagueiro Ném subir sozinho para desviar.


Tencionava escrever que o resultado não foi justo, porém revi minha posição. Se uma equipe leva dois gols de escanteio em uma só partida, jogando com um jogador a mais que o adversário, após estar vencendo, com o aparente controle da situação, e de lambuja perde chances de ampliar por total e completo egoísmo, vaidade pessoal mesmo, de querer a todo custo fazer o gol e não importa se há alguém melhor colocado para fazê-lo, essa equipe deve perder. Existem lições que só são ensinadas na derrota, e espero que o Vasco hoje tenha aprendido as suas.

sexta-feira, 24 de julho de 2009

Pra comprovar a boa fase!



Este sábado faremos o único jogo que pode ser chamado de clássico nessa Série B. Embora o Guarani também já tenha sido campeão brasileiro, o Bahia é o único, além, óbvio, do Vasco, que verdadeiramente pode ser taxado de "grande" na competição. Trata-se de um clube de muita história, tradição e que conta com uma legião de torcedores.Um time de verdade! Time que torço para que consiga também o acesso. É muito triste vermos times de empresário, de prefeitura, de seja lá o que for na série A, em detrimento de Bahia, Santa Cruz, times com passado, camisa e raízes.

A campanha "público zero", que foi divulgada pela imprensa, já foi desmentida pela torcida do tricolor de aço.Parece que lá também existe uma imprensa rubro-negra. Evidente também que não teríamos um público zero em se tratando de jogo do Vasco na Bahia. É certa a presença maciça de torcedores Vascaínos no belo estádio do Pituaçu. Cabe ao time comprovar a boa fase e fazer completa a festa da torcida cruzmaltina. O time não fugirá muito daquilo que estamos acostumados. Carlos Alberto, ainda em recuperação, começará no Banco. A escalação de Ernani também esta confirmada, porém, não no lugar de Ramón, e sim do volante Amaral, que cumpre suspensão.Robinho retorna de suspensão e volta aos titulares.

O time que vai a campo então deve ser o seguinte: Fernando Prass, Paulo Sérgio, Vilson, Titi, Ramón; Ernani, Nílton, Souza, Alex teixeira; Robinho e Élton.

O Bahia vive mal momento na competição, apesar de ter vencido na última rodada o Campinense, o que, cá pra nós, não é nenhum feito. O Tricolor vem desapontando sua apaixonada torcida e figura apenas na décima segunda colocação. Se o Vasco ainda sonha em disputar tranquilamente a Série B, chegou a hora de embalar de vez. O ataque voltou a funcionar e, amparados na nossa impenatrável defesa, vamos em busca de mais três pontos e da liderança dessa porcaria de divisão que estamos sujeitados a disputar.

terça-feira, 21 de julho de 2009

Acorda Ramón!


Há muitos anos não víamos em nossa lateral esquerda algo mais produtivo que um cone de trânsito. Milhares de jogadores foram testados ao longo desses tenebrosos anos e nenhum conseguiu se firmar na posição. Mas em 2009, justo no ano da disputa da Série B, chegou ao Vasco Ramón, um lateral de nível de série A, o primeiro desse nível em anos. De relegado no Internacional, o lateral virou destaque no Vasco, sendo eleito destaque do campeonato Carioca, e virando xodó da torcida. O seu estilo de jogar é cativante para qualquer torcida: Joga firme, marca forte, vai pra cima, corta bola e bate no peito. Contagia pela vontade.

De uns tempos pra cá, transformou-se, ao meu ver pelo menos, em apenas um jogador esforçado. A vontade contagiante continua lá, intacta, mas a efetividade caiu drasticamente. Por isso mesmo, que sábado, contra o Bahia, Ramón será opção no banco de reservas. A primeira vista já nos vem a cabeça a indagação: “Mas peraí, o Dorival ta maluco?” Indagação que procede, quando na seqüência vem a notícia que em seu lugar entrará Ernane. O Ernane não é, e não será o titular do Vasco, esse continuará sendo o camisa 33. A barracão de Ramón é uma espécie de “Acorda moleque, precisamos de você batendo aquela bola do carioca”. Isso ficou claro nas declarações de Dorival, que quer ver os titulares sendo pressionados. Ele quer um grupo inteiro motivado. Ele esta é muito certo!

segunda-feira, 20 de julho de 2009

Eurico e suas verdades



Ainda pouco terminou a entrevista de Eurico Miranda ao programa “Esta Valendo”, comandado por um dos ícones da narração esportiva do país, Sílvio Luiz. O tema “Vasco” não foi muito abordado, e quando foi, obviamente, foi feito sob o viés de Eurico Miranda. Se eu tivesse nascido ontem, teria a nítida impressão que o Dr Eurico é a personificação da idoneidade e da administração consciente. Segundo o mesmo, o Vasco encontrava-se, ao término do seu mandato, praticamente no rumo de Abu-Dhabi ( Nova sede da disputa do mundial de clubes). Veio com aquelas conversas moles de sempre que você já esta acostumado a ler no Cascata, além de se gabar por ter vencido Dinamite em eleições comprovadamente fraudulentas.



Mas como havia adiantado, a pauta do programa não era o Vasco. Diversos outros temas foram tratados, e a partir daí, acredite se quiser, concordei com tudo o que o Dr Eurico disse, principalmente quando fez severas críticas a prejudicial Lei Pelé, que de fato enfraqueceu as equipes brasileiras, e abriu campo aos não menos prejudiciais empresários, que se apossaram dos times, dos jogadores e do futebol brasileiro. Eurico também fez ressalvas quanto a Copa no Brasil, alegando que por aqui não existe a estrutura necessária de transportes e hotelaria, principalmente. A entrevista terminou com um abraço de Eurico em Sílvio Luiz, que mostraram-se bastante amigos, o que, desde já, me faz desconfiar do caráter do irreverente narrador de futebol.

sábado, 18 de julho de 2009

A Liderança é questão de tempo.


Parece que o problema do Vasco era mesmo o mês de junho. Bastou entrarmos no mês de julho para a superioridade técnica Vascaína, demonstrada em todas as partidas da competição, voltar a se traduzir em gols e em bom futebol. O começo do jogo não poderia ter sido melhor. Souza acreditou em uma bola aparentemente perdida, aproveitou-se da falha do goleiro, e marcou seu primeiro gol como profissional. Deu a impressão de que o Vasco construiria um placar elástico sem grandes problemas, no entanto o ABC, mesmo sem levar perigo, equilibrou a partida na primeira etapa. Tanto é que ao final dos primeiros 45 minutos, a torcida vascaína, que deu um SHOW em São Januário, vaiou a equipe.

O Vasco voltou diferente para o segundo tempo. Enrico entrou no lugar do sempre apagado Alex Teixeira, e Adriano substituiu o inoperante Magno. Foram necessários apenas 5 minutos com a camisa do Vasco para Adriano mostrar a que veio. Recebeu na meia esquerda, se livrou de 2 zagueiros e fuzilou para ampliar. Golaço logo na estréia! Se o Vasco já conseguia ser um pouco melhor a essa altura, aos 10, Rogério foi expulso e deixou o time de natal com 1 a menos. Um exagero da arbitragem ao meu ver, mas dessa vez, só dessa vez, o prejudicado não foi o Vasco. Também não é por isso que o ABC perdeu. Perdeu porque tem um time sofrível.

A partir daí só deu Vasco, que tocava a bola com paciência buscando os espaços. Phillipe Coutinho veio ao jogo no lugar do lesionado Souza. Cada toque na bola da jóia da colina era saudado pelos torcedores. E em campo ele retribuía com personalidade e toques precisos. Não é necessário muito conhecimento para perceber que trata-se de um jogador diferenciado. Só pela maneira como toca na bola, como se comporta dentro de campo, logo se vê que ali abriga-se um talento. No final, Élton, que fez as pazes com o gol, deixou o seu de cabeça aproveitando-se do cruzamento de Paulo Sérgio. A vitória nos recoloca no G-4, e, se continuarmos nessa toada, a liderança será questão de pouco tempo. Não me preocupo em secar ninguém. Basta apenas o Vasco fazer a parte que lhe cabe , ou seja, trucidar essas equipes mequetrefes da segunda divisão, para chegarmos no topo. Disse e repito:Com o Vasco voltando a ser Vasco, o Guarani voltará a ser o Guarani.

quinta-feira, 16 de julho de 2009

Eu preciso de meias!


O dia 17 de Julho é muito especial para história do futebol Brasileiro. Há quinze anos, no estádio Rose Bowl, Roberto Baggio chutava a cobrança de pênalti na lua e dava ao Brasil o Tetra-Campeonato. Há quinze anos, aqui na minha casa, eu completava exatos 6 anos de idade. E acreditem, lembro daquela copa como se fosse ontem. Desde que me entendo por gente sou um louco por futebol e alguém extremamente passional. Deve ser por isso que chorei quando a Suécia abriu o placar na primeira fase. Deve ser por isso que tive que tomar água com açúcar no jogo contra a Holanda. Deve ser por isso que contra a Suécia nas semi-finais me escondi no quarto, liguei a tv no chiado para não ouvir nada, até dar uma espiada na sala e ver que Romário havia aberto o placar. Deve ser por isso que na hora das cobranças de pênalti contra a Itália me refugiei no quarto de empregada junto com o medroso do meu pai. Era muito sofrimento para um coração apaixonado de apenas seis aninhos. Dali a pouco chegaria a boa notícia através da minha mãe, e da rua inteira, que explodia numa alegria acumulada de 24 anos. Um aniversário inesquecível!

Nessa sexta completarei 21 anos, e calhou de ter um jogo do Vasco. Um presente como aquele que ganhei ao completar 6 anos dificilmente receberei novamente, mas uma boa vitória diante do ABC ficaria a contento. Não seria uma vitória inesquecível, aliás, espero me esquecer que o Vasco um dia enfrentou o ABC. O presente será aceito de bom grado, mas soará mais como “lembrancinha”, como uma meia que minha tia de São Paulo sempre me dá. Mas eu preciso de meias! E o Vasco precisa de uma vitória para se recolocar no g-4 e de lá não sair até o fim do campeonato.

quarta-feira, 15 de julho de 2009

Com o Vasco voltando a ser Vasco, o Guarani voltará a ser o Guarani.



Bem que o senhor Sálvio Espínola tentou prejudicar o Vasco quando expulsou Robinho aos 7 minutos. No mínimo um exagero do apitador. Um cartão vermelho seria justificável se tivesse sido aplicado aos dois jogadores, mas um amarelo, ou até mesmo uma repreensão verbal, ficaria de melhor tamanho e salvaguardaria o espetáculo. O que mais me chama atenção é que qualquer entrevero com a bola parada rende cartão, mas os pontapés dados a torto e a direito com a bola rolando escapam ao rigor dos apitadores. É por isso que o tal Cocito, uma besta à solta no gramado, faz faltas duríssimas atrás de faltas duríssimas e nada acontece. Mas a justiça dessa vez seria feita!

Foi justamente por conta de uma entrada criminosa dessa besta que o Vasco abriu o placar. Fagner levou sorte no cruzamento e acabou fazendo um gol sem querer. Um belo de um gol sem querer! Gol que sepultou a condição de titular do Paulo Sérgio,espero eu. Apesar que hoje o Paulo Sérgio foi importante também, pois cruzou bola na medida para Élton ampliar de cabeça. O segundo gol deu tranqüilidade ao Vasco em um momento complicado da partida, onde o Vila pressionava. Minutos antes Fernando Prass havia feito um MILAGRE! Uma defesa fantástica em um cabeçada a queima roupa. Algo de outro planeta! Se depender de Fernando Prass, Tiago nunca mais entra em campo. É impressionante a segurança transmitida pela “Muralha da Colina”. No final do jogo estava torcendo para que chutassem ao nosso gol só para ver nosso goleiro dar show.

A atuação Vascaína foi muito prejudicada por conta da expulsão de Robinho. Jogar com 10 homens um jogo inteiro, ainda que contra um time terrível como o Vila Nova, é muito desgastante, mas hoje conseguimos nos superar. Na verdade, pouco pegamos na bola, mas soubemos matar o jogo nas chances que tivemos e nos aproximamos do G-4 que mais hora menos hora estaremos. Quando o Vasco voltar a ser Vasco, o Guarani vai voltar a ser o Guarani.

-------------------------------->>>>><<<<<<<<-----------------------------------
Finalmente a novela com a eletrobrás chegou ao final. Foi assinado hoje o contrato com a estatal que renderá 14 milhões anuais aos cofres do clube. O contrato é válido por dois anos e pode ser renovado por mais dois.Foram também apresentados oficialmente os novos uniformes, já com o logo da Eletrobrás. A estréia da roupa nova será sexta feira diante do ABC, em São Januário. Com o Vasco entrando nos eixos dentro e fora de campo, vai ficar cada vez mais díficil para as viúvas do eurico se pronunciarem.

domingo, 12 de julho de 2009

O Segredo da Felicidade


O segredo da felicidade é muito simples: Bola na rede!

Basta a bola encontrar a rede adversária para os pecados serem perdoados.

Alguém já dizia: É disso que povo gosta, GOL

Gol não faz mal. Não existe overdose de gol. Quanto mais melhor! E hoje, finalmente-enfim-graças a deus, saíram três gols Vascaínos. Um da cabeça de Robinho e dois do pé esquerdo do Élton..

Uma vitória boa em todos os sentidos. Boa para os jogadores, pra a torcida e pra mim, que finalmente sentarei em frente a uma tela em branco com boas novas sobre o Vasco,

A primeira delas é que Fagner pode ,e deve, ser titular do Vasco. Eu gostava até do Paulo Sérgio por seus cruzamentos, mas já que ele não acerta nenhum ultimamente, é melhor jogar com um jogador mais leve, mais técnico, que oferece um leque muito maior de jogadas como o Fagner, do que insistir em um jogador “quadradão”.
Outra boa nova é o volante Souza, que jogou muito bem hoje, com personalidade, vontade. Ainda não sei se será titular, mas mostrou que tem condições de brigar por um lugar entre os 11. O Nílton também voltou a jogar bem! É fundamental ao Vasco que ele recupere a boa forma. Não há ninguém melhor em sua posição no elenco, mas cabe a ele provar, e ele vai provar!

Quando vou a São Januário, e o Vasco vence, meu coração amolece. Não tem jeito!

Posso estar revoltado com o time, com o técnico, com o presidente, mas, se o Vasco fizer três gols, por mim tudo ótimo.

Torcedor é isso...

E VIVA a passionalidade!!!!!

sexta-feira, 10 de julho de 2009

A "Macaca" não é um timeco...Que Bom!



Admito que minha arrogância Vascaína me impediu de ficar assistindo aos jogos de nossos adversários pouco nobres da série B. A Ponte-Preta não fugiu a regra. Não assisti nenhum jogo da Macaca esse ano, mas parece que não se trata de um time qualquer, o que desde já me faz afirmar: Que Bom!


Pode parecer paradoxal, mas jogar contra times ruins às vezes é pior do que enfrentar um adversário mais qualificado. Os times ruins enfrentam o Vasco completamente fechados na defesa, não saem pro jogo, limitam de todas as formas os espaços. Não acredito que essa seja a postura da Macaca, ainda mais agora, que os times não parecem mais temer enfrentar o Vasco em São Januário, dado que qualquer time de quinta categoria anda a nos arrancar pontos dentro do Caldeirão. Potanto, acredito em um jogo franco, por isso mesmo acredito em uma vitória Vascaína. A equipe do Vasco se saiu melhor nas vezes que enfrentou equipes mais qualificadas, equipes que buscaram atacar o Vasco, vencer o Vasco. Foi assim contra Flamengo, Vitória, Corinthians e até contra o Atlético Goianiense, que chegou a fazer uma graça em São Januário. Perdeu de 3 a 0.

Estarei em São Januário e não quero me arrepender de ter gasto os meus 50, 60 R$!

terça-feira, 7 de julho de 2009

Sabe o que é engraçado?




Sabe o que é mais engraçado?


Eu vejo pisões, vejo agressões, chutes, cotovoledas, pontapés , deslealdade, rodízio de faltas.

Vejo juizes e jogadores se xingando em rede nacional.

Vejo técnicos dando patadas em juizes e em jornalistas.

Vejo times ganhando títulos na mão grande sem que nínguem faça muito caso.

Vejo juizes ignorando penaltis, marcando outros inexistentes, invertendo faltas.

Vejo dirigentes incitando a guerra entre as torcidas.


O que não vejo, e por isso me irrito tanto, é o tribunal de justiça desportiva ser rigoroso com todos os demais assim como é com o Vasco!


Será possível uma coisa dessas? Suspender o Carlos Alberto por 4 jogos por conta de um lance besta, de jogo, normal??

Qual a alegação para tal? " ah ele reclamou e falou um palavrão tio "

Façam-me o favor!

Primeiro, o linguajar dentro de um campo de Futebol não é o mesmo que se emprega na congregação das irmãs carmelitas mensageiras do espírito santo.

Palavrões fazem parte do código! Código usado por todos que cercam uma partida de futebol: Jogadores, técnicos, juizes, auxiliares, torcedores.

Segundo, e pior de tudo, sequer existe prova visual, tampouco testemunhal, de que Carlos Alberto tenha se referido de maneira desrespeitosa ao juiz.


O senhor Elmo Resende da Cunha, sob sua condição "sacra" de "infalibilidade", "transubstanciou" a "verdade absoluta dos fatos" na súmula da partida. Se está na súmula não existe contestação!

Pode ali estar escrito qualquer coisa: " Expulsei o senhor Carlos Alberto pois o mesmo encontrava-se sob a posse de satanás"

Quem acusa não precisa provar nada!

E o que achei também muito engraçado foi o artigo em que enquadraram o Carlos Alberto, "Reclamação".

Veja você, além de ser expulso injustamente, ameaçado constantemente, perseguido por marcadores adversários sem que o juiz tome nenhuma providência, o jogador não tem nem o direito de reclamar, e se o fizer ainda leva três jogos de punição. É o cúmulo uma punição dessas, ainda mais tendo em vista que todos os componentes da partida fizeram em algum momento uma reclamação para o juiz. E existe prova em vídeo disso, Jogador vive reclamando!


"Reclamação", pff...



Reclamar é o que o Vasco deve fazer!

segunda-feira, 6 de julho de 2009

Ahh, aí eu me jogo da Marquise!



UPDATE***

A categoria de base, o futuro do Vasco, do time e dos cofres, não pode ser alimentada a base somente de arroz com salsicha!


Tomara que a renovação de contrato do Carlos Alberto seja um índicio da mudança de sorte na colina. Esta renovação era dada como certa por mim, mas após a demora do clube alemão em responder, e a aparição do nome do meia como parte do elenco do Werder para a disputa da próxima temporada , fiquei desesperançoso. Em tempos de crise, somente o anúncio de uma grande contratação ou a renovação do Carlos Alberto poderia me dar ânimo para escrever.

Pior que tem gente que já dizia : "Tomara que ele vá embora, ele nunca joga, sempre tá machucado ou suspenso". Os que pensam assim enquadro em duas categorias: Os que nada sabem sobre futebol e os que torcem contra o Vasco. Para todos os outros tipos de torcedor, era fundamental a permanência de Carlos Alberto. Saravasco! Ele Fica!

Não entendo um Vascaíno que não enxergue importância na permanência do principal jogador do elenco, o único diferenciado entre trinta e poucos atletas. O único nome, o único que faz do Vasco um time diferente na série B, o único que inflige respeito e preocupação nos adversários. Nem sempre joga bem, é verdade, mas nunca se esconde do jogo, não teme a responsabilidade de ser o craque do time. Com essa boa notícia, e o contrato assinado com a eletrobrás, uma vitória contra a Ponte no sábado pode nos colocar nos eixos novamente. Estarei na Colina e nenhum resultado além da vitória será aceito!

Ou Vencemos, ou serei mais um maluco ameaçando se jogar da marquise!

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Onde se escondeu o Futebol do Nílton???



Lembro-me de no começo do ano dedicar algumas colunas ao futebol de Nilton. Era tido por mim como o grande jogador da equipe. Não só por mim. Não raro, e tenho aqui os jornais pra comprovarem, era considerado o melhor jogador em campo e recebia as melhores notas. Cheguei a dizer, com um pouco de exagero é verdade, que Nilton era capaz de desempenhar as 10 posições de linha de maneira satisfatória. O encantamento por parte da torcida com seu futebol era tanto, que rapidamente lhe deram o apelido de “Zidanílton”, pois, obstante a força evidenciada por seu porte físico, ele também nos brindava com um futebol altamente técnico. Bons passes, boas viradas de jogo, bons chutes, boas cabeçadas, bons dribles. O tempo passou e Nilton, infelizmente, não é mais o mesmo. Não só não é capaz de jogar nas 10 posições de linha, como não anda mais agradando nem em sua posição de origem. O volante foi barrado por Dorival Jr, que deve promover a entrada do jovem Souza.


Que o Nilton não vem jogando nada é notável, só não entendo o porquê disso. Pode alguém desaprender um ofício que fazia com tanto primor? Não acredito nisso, por mais que os “Ronaldinhos” e “Thiago neves” estejam aí para comprovar o contrário. Boatos dão conta que ele anda se perdendo na noite carioca. Não sei. Sei só de uma coisa: quando jogador começa a mudar o “cabelinho”, é sinal de que o sucesso literalmente anda a lhe subir a cabeça. Torço para que Nilton recupere a humildade e junto com ela venha o futebol que nos encantou no começo do ano.

quinta-feira, 2 de julho de 2009

Desilusão...


Estou desiludido com o time do Vasco. Ando temeroso quanto à possibilidade de permanecermos mais um ano na segunda divisão. Seria definitivamente o inferno! Uma vergonha que não sei se seria capaz de carregar. Que ânimo teria eu para sentar numa mesa de bar com meus amigos, e ter que permanecer calado quando tocarem no assunto “Futebol”? Aliás, cada vez que discuto sobre futebol, percebo que meus argumentos ficam cada dia mais obsoletos. Todas as glórias e conquistas do Vasco não valem mais um tostão nas discussões de bar.

As boas campanhas no Carioca e na Copa do Brasil talvez tenham sido as coisas mais prejudiciais ao Vasco nesse ano. Nos passou a sensação de que tínhamos um time 100% confiável para a disputa da segunda divisão. Pelo menos eu fiquei com essa sensação. Se não tínhamos um time vistoso, pelo menos tínhamos um time empenhado ao extremo, um time pelo qual tínhamos o prazer de desembolsar 30 Reais para ver lutar por todas as bolas, para ver os jogadores batendo no peito como nós lá da arquibancada fazemos. Infelizmente o time não esta mais com esse espírito, essencial para sobrepujar a nítida limitação que apresentava. Some-se a perda do “tesão” de jogar, o fato de alguns jogadores de fundamental importância no começo do ano atravessarem fase técnica tenebrosa. Paulo Sérgio nunca foi lá muito técnico, mas seus cruzamentos eram sempre uma jogada forte do Vasco. Hoje, o lateral não consegue ser efetivo nos cruzamentos e de lambuja anda levando baile atrás de baile dos laterais esquerdos que enfrenta. Preocupa-me mais o Nilton. Onde terá se escondido o futebol de "Mestre" Nilton? Do Paulo Sérgio não se espera muita coisa, mas do Nilton, eu, pelo menos, espero muito. Nilton era sempre, ou quase sempre, o melhor jogador do Vasco na maioria das partidas. Desarmava e armava com a mesma eficácia, era tido por mim e por muitos como o porto seguro da equipe, uma espécie de “ Tá com Nilton tá em casa”. Ultimamente não vem rendendo nada, errando passes bobos, e parece acomodado dentro de campo. Nada que um tempo no banco de reservas não possa resolver. Tendo em vista a provável e trágica saída de Carlos Alberto, é urgente que o Nilton se recupere, assim como é urgente que o Jéferson ressuscite.

Ao que tudo indica, será esse time que terá que nos levar para a primeira divisão. Não se iludam com grandes contratações, não virá nenhum salvador da pátria para o Vasco, o máximo que pode acontecer é uma contratação/aposta dar certo, como eu espero que seja o caso de Robinho. O time do Vasco é comum e parece ter se esquecido disso. Time comum sobe, mas sobe sofrendo.


Se não recuperarmos o espírito de luta e o tesão de jogar, eu não sei não hein...