segunda-feira, 25 de outubro de 2010

O Script (maldito!) de sempre


Não houve fato novo, nem nada que causasse espanto em ninguém.


O Vasco rezou a cartilha de sempre. Começa melhor, abre o placar, cede a bola e o campo ao oponente, e acaba castigado perto do fim. Na boa companheiros, alguém aí duvidava que cederíamos o empate mais cedo ou mais tarde no jogo de ontem?


Que time miserável meu camarada!! Será possível!!!? Já que não vamos pra lugar nenhum, que pelo menos busquemos incessamente a vitória. Se por conta disso formos derrotados, paciência. Agora não importa mais. Empate é literalmente igual a derrota na atual conjuntura.


Como já havia adiantado, não houve fato novo.


Não importa o nome do cidadão.De Gutemberg de Paula à Péricles Bassols, passando por João Batista Arruda, é tudo juiz e, via de regra, juiz é tudo uma porcaria. Quando se fala da federação carioca..vixi... melhor parar por aqui.


O juiz, contudo, acertou em cheio na expuslão de Dedé, que vinha fazendo partida soberana, dominando com ampla facilidade qualquer que fosse o adversário. O zagueirão exagerou na vontade e acabou acertando em cheio a canela de Willians. Vermelho direto, vermelho mais do que justo e o perdão da torcida vascaína, mais do que instantâneo. O que não falta pro Dedé é moral junto da galera. Dedé foi pro chuveiro e minhas esperanças de ver o Vasco manter a vantagem mínima até o fim escorreram pelo ralo. Só ele e Fernando Prass seriam capazes de fazer o Vasco suportar a pressão a que nós, por livre e espontânea vontade, sempe nos submetemos. Prass tentou, e conseguiu, pelo menos, evitar a derrota.


Apesar de ter acertado na expulsão e aplicado a lei do jogo à risca, o juiz esteve longe de bem conduzir a partida. Pecou pela falta de critério, marca registrada da arbitragem tupiniquim, e acabou pro acirrar os ânimos dentro de campo. Toda hora se via o juiz discutindo e ofendendo os jogadores. O que será que o tribunal fará quanto a isso? Nada!


O juiz não vai sofer punição alguma, é capaz do Dedé pegar 900 jogos de suspensão, e o Vasco vai ficar exatamente onde está, parado no meio da tabela.


Aliás, nenhum fato novo.

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

A sinistra arte de decepcionar e o Nitrogênio Líquido.


O Vasco especializou-se em uma arte particularmente sinistra para nós Vascaínos.

Primeiro, eram os baldes de água fria. O Vasco arrancou lá de baixo com enorme êxito, mas o passo adiante nunca conseguia ser dado. Ao invés de andar pra frente quando preciso, pipocávamos no mesmo lugar com empates insossos.

O ciclo se renovava. O Vasco jogava bem um jogo, vencia, tinha tudo para embalar como no jogo contra Atlético MG, Avaí, Botafogo..mas os erros individuais tratavam de condensar a água, que se transformava em gelo e apagava qualquer fagulha de uma reação incendiária.

A parada agora é mais hardcore: Nossas sonhos ou ínfimas esperanças, como quiser, são devidamente resfriadas e sepultadas com Nitrogênio Liquido!

O Vasco faz de tudo para mostrar ao seu torcedor que “ o negócio é esse aí mesmo, nós não vamos para lugar nenhum. Vamos ficar aqui parados no meio da tabela. Portanto, contente-se.”

A sinistra arte de decepcionar é peculiar ao Vasco nessa temporada. Em toda ela.

Foi assim no Carioca, foi assim na Copa do Brasil e está sendo assim no Brasileirão.
Ontem, no gramado bem mais ou menos do Serra Dourada, o jogo parecia caminhar para mais um empate sem graça. O jogo foi frio e chato. No entanto, a arbitragem, a meu conceito, exagerou na expulsão de Carlinhos e fez pender a balança, fadada ao equilíbrio medíocre do futebol apresentado pelos 2 times, para o lado dos anfitriões.

Pelo buraco que se formou na esquerda, os goianos definiram a partida.

E o Vasco definiu seu destino. Temos, hoje, um bom time. Um ótimo time, quando completo. Um time para brigar por título, principalmente se o desfile do Carlos Alberto for dentro de campo e não em uma quadra de escola de samba.

Um time, contudo, apaixonado pela décima primeira posição. Muito embora flerte com a Nona vira e mexe, jogue charme para a sétima(mesmo que raras vezes correspondido), tenha sonhos ardentes com a inalcançável terceira, e não raro deite-se com a décima segunda numa noite fria de sábado, a “de fé” joga com a 11.

E nós ficaremos aqui, girando o graveto na folha seca para ver se uma fagulha renasce e quem sabe chamusque as penas de um urubu.

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Porque eu voto em Dilma?



(Esse Blog não trata de assuntos políticos, porque o blogueiro não domina o tema, mas tem direito a uma opinião, e essa é a minha)

Primeiro porque ela é a candidata escolhida pelo Presidente Lula, pessoa pela qual nutro imensa simpatia. Alíás, simpatia compartilhada por cerca de 80% da população Brasileira. Impossível que um sujeito com essa popularidade não esteja fazendo um bom governo. É notório que a vida da população melhorou. Lula, se tivesse direito a um terceiro mandato, venceria com 300% de diferença para qualquer que fosse o candidato adversário. A economia vai num bom rumo e acredito que a manutenção das atuais políticas sejam o melhor caminho para o Brasil continuar promovendo a inclusão social, comprovada numérica e estatisticamente. Dilma Rousseff representa essa continuidade. Ela não é uma ninguém como quiseram rotulá-la. Foi chefe da casa civil, a pasta mais importante do governo, do governo que tem rejeição de 4% da população.

Não serei também hipócrita. Faço parte da elite econômica e intelectual do país, e desse modo, qualquer que seja o governo que assuma a partir do próximo ano, continuarei fazendo minha faculdade, jogando minha bola, comprando minhas roupas, bebendo minha cerveja,comendo bem, indo aos jogos do meu querido Vasco, levando, enfim, uma vida absolutamente igual a que levo. Mas pra muita gente, especialmente para os mais pobres, o governo atual foi de grande importância. A Comparação Lula e FHC, especialmente no campo social, é tão desfavorável ao PSDB, que a estratégia tucana, principalmente no primeiro turno, foi tentar fazer José Serra subir na garupa de Lula, inclusive levando imagens do “Zé” ao lado do presidente. O “Zé”, filho de feirantes, pessoa humilde, tão humilde que foi mais fácil levar uma favela pra um estúdio, do que levá-lo a uma favela.

Mas os motivos que me levam a votar em Dilma são menores dos que os que me levam a não votar em Serra. A antipatia que tenho pelo candidato tucano é a principal responsável por eu voltar na candidata Petista. Não votarei numa pessoa que quer o poder a qualquer custo como José Serra. Alguém que, gozando da simpatia da grande mídia,que jamais engoliu que um Torneiro Mecânico tenha colocado o governo do Sociólogo no chinelo, joga sujo. Muito Sujo!!!! E olha que o Lula nem precisou falar inglês para dar um “Kick in the ass” no FHC.

A sujeira está nas ruas, espalhada em forma de boato. “ Não vou votar numa lésbica, aborteira, ex guerrilheira, marionete do José Dirceu, que ainda por cima vai acabar com o décimo terceiro” Parece mentira, aliás, é tudo mentira, mas eu ouvi isso no ônibus. De onde surgem esses boatos? Quem produz esses comentários virulentos e mentirosos?

E o tal do Paulo Preto? Fugiu com 4 milhões da campanha do PSDB. O Serra disse que não o conhecia, agora explica a ligação com o sujeito que não conhecia. Estranho, muito estranho. Isso só prova que a corrupção não é um “privilégio” do PT. Não existem santos, embora os candidatos tentem parecê-los e a campanha tenha tomado, infelizmente, esse rumo trágico com viés medieval. A diferença é que somem 4 milhões lá, e isso não vira capa de jornal, não se transforma em matéria de 10 minutos no Jornal Nacional. Vira factóide e não objeto de investigação.

E o Aborto? Quer golpe mais baixo que esse? Todo dia eu sou obrigado a ver um bebê nascendo na televisão e um desfile de mulheres grávidas no programa do PSDB. A opinião do presidente sobre a questão vale tanto quanto a minha ou a sua. Sabe o que vai acontecer depois da eleição? O presidente eleito vai pegar esse assunto, vai colocar na gaveta, passar a chave no cadeado, jogar a chave no meio do mato. Na próxima eleição, quem sabe, voltem lá no matagal pra procurar a chave e reabrir essa gaveta nefasta e colocar a menos importante questão na pauta de novo. Um Nojo!

Cabe a nós escolher se queremos consolidar as inegáveis consquistas do Governo Lula com a eleição de Dilma,e seguir melhorando, tranformando e incluindo porções cada vez maiores da população na democracia, ou se vamos eleger um representante das elites. Os tucanos não passam de Paulistas, elitistas,preconceituos, com uma camisa social azul e que fazem de tudo para chegar no poder. Essa gente escrota não pode ganhar!

Vamos sonhar Juntos?



Esse é o Felipe que eu gosto, esse é o Felipe que eu conheço!

Os 25 minutos de inspiração do maestro foram o suficientes para o Vasco construir o placar de 2 a 0 sobre o Corinthians. O eterno camisa 6 usou a imarcável perna esquerda para reger o Vasco. Fez o que quis no meio campo, distribuindo dribles, passes, lançamentos, e esbanjou toda a categoria que sua capacidade física agora lhe permite esbanjar novamente, não completamente ainda.

Para alguns, não só os entendidos da torcida, bem como os supostos entendidos da imprensa, não ficava claro o porquê do Vasco ter feito um esforço e todo um arranjamento financeiro para tirar o maestro do Qatar. Tá explicado agora! Na verdade, a explicação nunca seria dada em forma de palavras. Sempre soube que a explicação seria dada por ele com a bola, o brinquedo preferido, ferramenta e a extensão de sua genialidade.

O Vasco teve um início arrasador. Antes de aproveitar o cruzamento de Carlinhos e abrir o placar, em um pentelhotímetro de posição irregular, Zé Roberto já havia perdido ótima chance ao sair cara a cara com o arqueiro Júlio César. A defesa do Corinthians é lenta, e a mente de Felipe, em regra, trabalha na toada dos gênios. Natural que ele descortinasse um passe mágico para Éder Luis sair frente a frente com goleiro. Natural que o Éder, o melhor jogador da temporada no Vasco, tocasse com leveza, segurança e confiança no cantinho para ampliar.

Estabelecida a vantagem, o Vasco recuou ainda no primeiro tempo. Apostar no contra-ataque virou a proposta a cruzmaltina. O timinho tocava pra lá, tocava pra cá, mas não oferecia nenhum perigo a meta de Fernando Prass. Não encontrava espaços na sólida defesa vascaína. O que também é natural. O Souza teria que nascer 3 vezes de novo para sonhar que pensava que passava do Dedé. O Souza como jogador é um ótimo bandido.

Mas, já vimos filmes parecidos e os finais sempre foram trágicos. O Corinthians voltaria para o segundo tempo para colocar fogo no jogo. Pelo menos era isso que se esperava. Mas o timinho parecia mais satisfeito do que nós com o resultado. O jogo precisaria esquentar 100 graus para ficar morno no segundo tempo. O Vasco cozinhava o jogo em fogo brando, na temperatura que lhe era favorável, e deixou a bola nos pés do timinho, mas eles não pareciam familiarizados com ela. No fim, vitória Cruzmaltina, felicidade geral na colina e o renascimento da esperança de brigar por algo grande na competição.

São 8 pontos do g-3, e precisaremos de aproveitamento de campeão para chegarmos lá. O time é bom, tem capacidade para isso. Mas entre nós e a vaga, não existem apenas 8 pontos, existem também uma penca de times. PC Gusmão foi sereno na análise de nossas possibilidades. O Vasco não tem que pensar fixamente em chegar no g-3, temos que fazer o nosso máximo e buscar a melhor colocação possível. Pensando desse modo, talvez consigamos chegar lá. Impossível não é. Temos exemplos que mostram que arrancadas como as que precisaremos são possíveis. Jogando como temos jogado recentemente, e não bobeando na hora de assegurar os resultados, as possibilidades aumentam,embora, na minha concepção, continuem no campo dos sonhos. Vamos sonhar juntos então?!

sábado, 9 de outubro de 2010

O futuro há de ser melhor que o presente.



(Voltei antes do previsto me valendo da incoerência que acomete todo torcedor de verdade.)


Triste sina a do Vasco.

Tem time para fazer frente com qualquer adversário.( E FAZ!)

Tem bons valores individuais comprometidos e que honram a Cruz de Malta.

Tem camisa, tradição, história, além de uma torcida encantadora e que joga junto.

Só não tem maturidade para garantir vitórias garantidas e por isso vaga por uma zona bem aquém de sua capacidade.

Tem, pelo menos, ao que parece, uma semente decente capaz em germinar num time vitorioso no futuro próximo.

Sonhadores e otimistas pegam agora nas maõs da realidade.

Não vamos, como merecíamos(nós, torcida), para a glória de uma Libertadores.

Não vamos, como podíamos( Nós, time), para o lugar que esperávamos.

Não vamos, também, rumo a catastrófica segunda divisão.

Vamos pelo caminho do meio, do meio da tabela.

O tempo de sonhar passou.

É Tempo de manter Fernando Prass, Dedé, Fágner, Rafael Carioca, Felipe Bastos, Éder Luis, Zé Roberto e somar aos outros de contrato prolongado, Carlos Alberto e Felipe(Cada vez mais desenvolto).

É tempo de se mexer e encontrar soluções para nosso elenco capenga, que jogou um ano inteiro sem alguém melhor capacitado que um cone na lateral esquerda e sem um atacante pra chamar de camisa 9.

É tempo de maturar.

É tempo de planejar, ajustar, melhorar e manter o que de bom temos no presente( Que não é pouco!)

2010 acabou e 2011 logo chega.

Chegará renovando as esperanças, que sempre se reinventam no coração dos Vascaínos, independente de serem reais ou artificiais. Mantendo a base e somando a ela o pouco que nos falta, serão esperanças reais, creio eu.

Só é dado ao meu coração, mesmo que doído, crer nisso.

O futuro há de ser melhor que o presente.