sábado, 15 de janeiro de 2011

O patinho feio de sempre e a validade do PC


Entra ano e sai ano e a história se repete. Já são oito anos em que entramos a temporada como o patinho feio do campeonato carioca e praticamente descartados de qualquer possibilidade de títulos na temporada. Enquanto nossos rivais, exceto o Botafogo, se reforçam com nomes de peso e qualidade incontestável, nós apostamos as fichas que temos, pouquíssimas por sinal, em jogadores inexpressivos que ninguém sabe o que poderão render.

Fico até constrangido quando alguém desmerece a contratação de um craque como Ronaldinho. A não ser que seja numa conversa com um amigo urubu, não tem a menor coerência desqualificar a grande contratação do rival, que muito me agradaria se fosse feita por nós. A política pés no chão do Vasco é assertiva dada às condições teresopolitanas, firuburguenses e petropolitanas das nossas finanças. O problema é que as taças ficam lá no alto e, pelo menos, nessa temporada que se apresenta, se não dermos um verdadeiro salto de qualidade não as alcançaremos.

Os discursos também são repetitivos. Os que chegaram dizem que vieram buscar títulos e que acreditam no projeto apresentado pela direção do clube. Os que permanecem dizem que a chegada dos reforços coloca a equipe num patamar de igualdade com as demais equipes brasileiras para brigar pelas taças. Pudera também se o teor do discurso fosse diferente.

Na torcida não se encontra coisa muito diferente. Alguns otimistas, outros nem tanto, e grande parte, como eu, sem expressar otimismo ou pesar, apenas na espera que o discurso se evidencie na prática.Porque para o Vasco estar em patamar de igualdade com as equipes postulantes aos títulos da temporada 2011, estaremos à mercê de inúmeras variáveis. Teremos um departamento médico capaz de subsidiar o trabalho desenvolvido? Teremos um departamento jurídico competente para nos esquivar dos garfos dos famigerados tribunais? Teremos a beira do campo um técnico que consiga fazer o time jogar e que controle minimamente os próprios ânimos e dê tranqüilidade aos atletas dentro de campo? Teremos nossos craques, finalmente, em condições clínicas, físicas e técnicas de corresponderem ao salário que ganham dentro de campo? Entenda-se corresponder por conquistar títulos, pois o Vasco, na pindaíba que está, não tem condições de pagar salários nababescos a atletas que não façam verdadeiramente o diferencial que uma equipe vencedora obrigatoriamente precisa ter. Teremos, por fim, uma disputa política dentro do clube sadia, democrática, e menos beligerante, que tenha como objetivo único e final promover melhorias em todos os sentidos para o clube?

Respostas positivas para as questões escalonadas nos colocam, sim, em um patamar de igualdade com qualquer outra. Destôo um pouco da tese de que o Vasco tem seu melhor plantel em 10 anos. Temos, talvez, a equipe mais promissora em muito tempo. O melhor time desse período tenebroso continua sendo o de 2006, que foi o que chegou mais perto de nos colocar em uma posição que nossa história minimamente nos obriga a estar.

Ano passado escrevi uma coluna intitulada “ A função primordial”, discorrendo, sob meu ponto de vista, a respeito da utilidade dos torneios estaduais. Considerei três funções básicas, que eram e continuam sendo: Iludir os torcedores, corrigir os rumos e a principal, derrubar treinadores. Tenho pra mim que dificilmente PC Gusmão sobreviva à um fracasso na Taça Guanabara. Nosso treinador já será pressionado desde a primeira rodada da competição e o Vasco terá que mostrar serviço mais cedo que seus rivais.

Uma das vantagens que temos em relação a campeonatos passados, é a de que o time já possui uma base bem definida e entrosada. Dessa vez não recorremos à baciadas de jogadores interrogação, foram apenas quatro, três deles de titularidade presumida. No entanto, as carências do elenco ainda são evidentes. Reposição a altura temos apenas na cabeça de área, onde facilmente se pode trocar um cabeçudo por outro. Nas demais posições, o déficit será enorme caso os titulares não possam estar, todos juntos, na maioria das partidas.

Apesar de ter dito que não expresso pesar e nem grande otimismo para a temporada, tenho sim algo a dizer sobre minhas expectativas. Acho que é possível ao Vasco conquistar alguma coisa, apenas considero pouco provável, infelizmente. Tomara que o Vasco altere minhas expectativas quando a bola começar a rolar.

Saudações Vascaínas.

5 comentários:

  1. Só discordo quanto ao time de 2006. Tivemos a ajuda do acaso mas aquele time, no papel, é bem pior que o atual. E realmente espero que o PC não caia durante o Estadual, não temos ninguém melhor para a posição.

    Saudações vascainas,

    @sobrevasco

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Sempre com matérias interessantes. Parabéns por ter este blog tão bom.

    Matheus ( torcidacrvg.com )

    ResponderExcluir
  4. está complicada asituação vascaína...quero seguir a crêr que não dependemos mais do eurico, mas... a realidade me coloca em dúvida. o jopgo de bastidores é sujo e a nau vascaína com dinamite não engrenou, está apssos bem lentos e lerdosficamos nós, avidos por titulos. e nos escorando em pseudo revelações como Dedé, goleiros e laterais medianos, ex jogadorss como Felipe, atacantes de mierda e um ídolo que não joga e quando joga, cansa e quer uma bola só pra ele, o CA!(. Uma pena. estou descr4ente e triste. andei sumido do meio por cvonta disso. Não sei se voltarei a blogar de novo enquanto o vasco estiver nessa penúria. Cansei. abs, sigo acompanhandop sua smatérias e comentários no supervasco

    ResponderExcluir
  5. a validade do pc ja acabou
    abel braga já

    ResponderExcluir

Sinta-se a vontade para expressar sua opinião sendo Vascaíno ou não.

Saudações Cruzmaltinas